sexta-feira, 22 de junho de 2018

NEYMARKETING EM NÚMEROS !!! R$ 18 milhões em carros E jato particular, helicóptero e um iate para 60 pessoas



Audi RS7 Sportback que Neymar ganhou no Barcelona FC (Reprodução: Instagram/Neymar 
Jr.)
Da revista Auto Esporte: Conheça a coleção de carros de 
Neymar Jr.
Não é novidade para ninguém que Neymar Jr. é um grande fã de supercarros. Enquanto construía sua
fortuna jogando futebol, criava também uma bela coleção de possantes em sua garagem.
Já passaram pelas mãos do craque vários carros da Volkswagen, empresa da qual foi garoto
propaganda enquanto ainda jogava no Santos F.C., e da Audi, que é patrocinadora do F.C. Barcelona,
onde ele jogou por cerca de quatro anos.
Mas um dos primeiros carros comprados pelo jogador, enquanto jogava no time da baixada santista,
foi um Volvo XC60, que possui motor 3.0 de 285 cv.

Volvo XC60 (Divulgação/Auto Esporte)
Ainda naquela época, ele ganhou uma aposta com o pai que lhe rendeu um Porsche Panamera Turbo. 
Para vencer o desafio ele precisaria ser campeão do campeonato Sul-Americano Sub-20, conquistar a 
vaga para as Olimpíadas de 2012, se tornar artilheiro da competição e marcar dois gols na final. E ele 
conseguiu! Com isso, ganhou o tão sonhado carro, que vinha equipado com motor 4.8 de 520 cv e 
era capaz de atingir os 100 km/h em 4,2 segundos. No entanto, devido a irregularidades com a 
Receita Federal, o Porsche foi apreendido.
Porsche Panamera Turbo S 2012 (Divulgação/Auto Esporte)
Em 2012, ele ganhou um m Audi R8 Coupé 5.2 FSI, com 525 cv, que foi avaliado em R$ 770 mil. O 
esportivo acelerava de zero a 100 km/h em apenas 3,9 segundos
O tempo em que jogou no Barcelona rendeu a ele um verdadeiro "open de carros da marca": um 
Audi Q5 de 272 cv, que ganhou do presidente do clube em um duelo de embaixadinhas com o Messi; 
um Audi RS7 Sportback, esportivo com motor V8 de 605 cv, e um Audi TTS com 272 cv de 
potência, com o qual ele foi visto várias vezes pilotando pelas ruas da Espanha.
Mas foi em 2015 que ele realizou o sonho de comprar sua primeira Ferrari, uma 458 Spider. 
Equipado com motor V8 de 578 cv de potência, o superesportivo podia ir de zero a 100 km/h em 3,4 
segundos. Pena que Neymar bateu o carro avaliado em cerca de R$ 2 milhões a caminho de um 
treino. Mas deu tudo certo no final.
Mas a coleção de Ferraris não acabou: a garagem do jogador também exibe uma Ferrari GTC4 
Lusso, adquirida no começo de 2017. Reza a lenda que ele tem (ou já teve) também uma Ferrari 
California T, modelo substituído pela nova Ferrari Portofino.
Ferrari GTC4Lusso (Reprodução: Ferrari/Auto Esporte
Falando em máquinas, não podemos esquecer do Maserati MC12. Essa raridade tem potência 
máxima de 632 cv e alcança os 100 km/h em 3,8 segundos e atualmente chega a ser avaliada em R$ 
12 milhões.
Maserati MC12 (Divulgação/Auto Esporte)
Além disso, quando ele foi para a Europa deixou por aqui um Mini Cooper S, com motor 1.6 turbo 
capaz de render 184 cv, um Volkswagen Fusca da nova geração e um VW Touareg, esses últimos 
dois adquiridos graças a um contrato publicitário com a marca.
Volkswagen Touareg (Reprodução: Volkswagen/Auto Esporte)
Toda a coleção de carros de Ney é estimada em R$ 18 milhões, mas não é só isso. O craque também 
conta com um helicóptero EC 130 B4, avaliado em R$ 8,4 milhões. A nave pode acomodar o piloto, 
dois passageiros nos bancos da frente e mais quatro pessoas nos assentos traseiros. Há também o jato 
intercontinental Cessna Citation Sovereign com preço de aproximadamente R$ 38 milhões, com 
capacidade para nove passageiros e autonomia de voo de 5,2 mil quilômetros.
Também não poderia faltar um iate para levar os amigos para passear. O do Neymar é um Azimut 78, 
que tem 25 metros, conta com quatro suítes, banheira de hidromassagem e pode levar até 60 pessoas. 
O preço? Cerca de R$ 15 milhões. Somando todos esses brinquedinhos, a garagem do Neymar pode 
chegar a quase R$ 80 milhões!
Neymar Neymar com seu jatinho Cessna Citation Sovereign de aproximadamente R$ 38 
milhões (Reprodução: Instagram/Neymar Jr.)

GALVÃO, O ARROTADOR DA GLOBO, DÁ CHILIQUE EM TREM DA RUSSIA


É porque ele não viaja de Econômica? E o Inglês do Moro?
Galvão na classe econômica? Narrador dá chilique em viagem 
Um vídeo de Galvão Bueno dando um chilique, durante viagem de trem, na Rússia, promete fazer 
sucesso na internet. O narrador da TV Globo discute com funcionários de uma empresa de trem 
russo e foi flagrado por uma filmagem anônima.
(...) Ele reclama de alguma atitude do funcionário e chega a aumentar o tom de voz pedindo para 
ele "abaixar as mãos" ao falar com ele. O motivo da discórdia não fica claro no vídeo. Mas 
Galvão se mostra bastante irritado. A pergunta que fica é: será que quiseram colocar ele na classe 
econômica?

Em tempo:
o Inglês do Galvinho merece uma comparação com o Maçaxutesis do Judge Murrow - 

PHA

JUNGMANN SEU FANFARRÃO, FOI VOCÊ QUEM MANDOU ATIRAR NO MARCUS VINÍCIUS?


Bruna Silva e o que a Intervenssão Tabajara é capaz de fazer no Rio. Exército e Polícia 
executam menino de 14 anos na Maré, a favela da Marielle!
Antes de morrer, adolescente baleado na Maré disse para a 

O adolescente Marcos Vinícius da Silva, de 14 anos, morto após ser baleado na Maré, contou para a mãe antes de morrer que viu de onde partiu o tiro que o atingiu, na quarta-feira. De acordo com Bruna da Silva, o jovem chegou consciente no hospital e chegou a falar com ela:
- Ele foi baleado e socorrido por moradores. Quando eu cheguei lá ele estava consciente e disse que viu quem atirou nele, que foi de um blindado. 'Ele não viu que estava com roupa de escola, mãe?', me perguntou, e eu falei para ele não falar Nada, para ter forças. Foi aí que ele começou a gemer de dor - lembrou Bruna durante o velório, que acontece no Palácio da Cidade, em Botafоgo.Mais cedo, os pais do adolescente também acusaram os policiais que faziam uma operação na comunidade no momento em que ele foi atingido:
— Por que veem um uniforme de escola e atiram? Porque não são policiais. São assassinos. Policiais não agem desse jeito — desabafou o pedreiro José Gerson da Silva, de 37 anos, pai do adolescente.
Ele contou que o menino tentou ir para a escola, mesmo atrasado, mas resolveu voltar para casa ao ouvir os primeiros tiros disparados do helicóptero da polícia. Quando estava quase chegando na residência se deparou com o caveirão, de onde, segundo o pai, partiu o disparo que feriu o garoto na barriga. (...)
Intervenção não derrota o crime, mas aumenta letalidade da 
E por Bernardo Mello Franco, no Globo Overseas:

'Apocalypse Now' carioca. Marcos Vinícius tinha 14 anos, torcia para o Flamengo, gostava de rap e queria ser MC. O sonho acabou na manhã de quarta-feira. O menino foi baleado a caminho da escola, um Ciep no Complexo da Maré. Antes de morrer, disse à mãe que o tiro partiu de um blindado da polícia.
Moradores contam que as operações na favela ganharam uma novidade. Agora os policiais também dispararam de helicóptero, batizado de “caveirão voador”. Numa região repleta de creches e escolas, repórteres do site Maré de Notícias contaram mais de cem marcas de balas no chão.
Os vídeos que circulam na internet sugerem que os agentes atiraram de forma indiscriminada. Sem protocolo de ação, os policiais abriram fogo como se estivessem numa refilmagem de “Apocalypse Now”. Faltaram a paisagem do Vietnã e o fundo musical da “Cavalgada das Valquírias”.
O resultado da operação foi pífio. Cerca de 120 homens entraram na comunidade com 23 mandados de prisão. Nenhum deles foi cumprido. A incursão deixou sete mortos, incluindo o estudante Marcos Vinícius. A polícia informou que os outros seis eram “suspeitos”, como se a lei autorizasse a matança nessas circunstâncias.
Não há lógica, a não ser a lógica da barbárie, que justifique operações de guerra em áreas densamente povoadas. É espantoso que isso ainda se repita em horário escolar, apesar dos reiterados apelos da prefeitura. Ontem, mais 17 mil alunos ficaram sem aulas na Maré. No ano passado, foram 38 paralisações provocadas pela violência.
O Rio está há quatro meses sob intervenção federal na segurança. A chegada dos militares parece não ter intimidado os chefes do crime. Apesar da promessa de reforço na inteligência, a polícia insiste na tática do bangue-bangue.
Na semana passada, o Observatório da Intervenção divulgou um balanço que aponta aumento nas estatísticas de roubos (5%), tiroteios (36%) e mortes provocadas pela polícia (34%). “Megaoperações policiais e militares se sucedem, cada vez maiores, com resultados pouco expressivos”, afirma o estudo.
Até aqui, a intervenção foi marcada pelo fim das UPPs e pelo assassinato da vereadora Marielle Franco. Hoje o crime completa cem dias sem solução.

quinta-feira, 21 de junho de 2018

VÍDEO: Mujica dá seu recado no acampamento pró Lula em Curitiba



O ex-presidente do Uruguai, Pepe Mujica, visitou nesta quinta (21) a Vigília Lula Livre em frente à 
Polícia Federal de Curitiba.
Em breve discurso à militância que está no local há 76 dias, Mujica disse que veio visitar seu 
companheiro de luta — o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Daqui a pouco, o ex-presidente uruguaio deverá visitar Lula na carceragem da PF.
Assista ao vídeo:

PÊSAMES: HOMENAGEM A LOS HERMANOS





Argentinos e o Papa têm que rezar muito pela Nigéria

ENTREVISTA DO DIA: A ESTRATÉGIA DE CIRO PARA ENFRENTAR A GLOBO

O MINISTRO NARCISO ADVOGADO DA GLOBO


Virada crítica
Por Janio de Freitas 

O ambiente de hostilidades no Supremo Tribunal Federal agravou-se. Atinge agora até ministros que
jamais contribuíram para injetá-lo onde o país decaído precisava encontrar o seu esteio de ética e 

sobriedade.
QUEM SÃO OS CLIENTES DE SEU 
ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA?

A divergência eleva-se a um nível perigoso,
já no plano institucional, ao comprometer
na opinião pública o conceito de quase
metade dos ministros.
A atitude agravante veio de quem foi autor
da mais explosiva crítica, no próprio
plenário do Supremo e diante das câmeras,
aos desregramentos pessoais —então
centrados no ministro Gilmar Mendes—
que vinham perturbando a ação e a imagem
do tribunal. 
Seria impensável, ainda há pouco, haver
qualquer agravamento a partir do ministro
Luís Roberto Barroso. Tanto mais que, há t
tão poucos dias, ficou acertado que os
ministros discutam seus votos e
divergências antes de irem para o plenário,
assim evitando exibições televisivas
inconvenientes. 
Prejuízo para os cidadãos, que perderam as
argumentações autênticas e didáticas.
Habituado, com razão, a críticas elogiosas,
também elas com razão, Luís Roberto
Barroso mostrou receber muito mal as
primeiras críticas negativas. Foram por sua
posição a favor de prisões após a
confirmação condenatória em segunda
instância, e não após esgotados em vão
todos os recursos de defesa —o determinado na legislação.
Barroso era visto como minucioso valorizador dos sentidos das leis e do direito, na relação com um
regime constitucional e democrático. A posição inesperada por certo lhe rendeu aplausos, mas as
críticas negativas não foram em menor número.
Logo em seguida, e desde então, Barroso mostrou-se, como ministro, irritadiço e com insinuações 
sucessivas; como pessoa, esvaziado do humor e da simpatia, suplantados por certa arrogância. 
Ainda assim, e por mais que a derrota o aborreça, não é cabível o seu comentário público sobre a 
recente derrubada da condução coercitiva à la Moro, por 6 a 5: “Acho que [a derrubada] foi mais 
uma manifestação simbólica daqueles que são contra o aprofundamento das investigações”.
Primeiro, nada faz verdadeiro o que Barroso diz. Não sendo verdadeiro, é injusto. Sendo injusto, não 
devia ser dito por um magistrado. 
Votaram pela derrubada, que acompanhou a legislação já existente, Rosa Weber, Dias Toffoli, Marco 
Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello. 
Despejar sobre todos a acusação de serem “contra o aprofundamento das investigações” escamoteia 
muitos fatos passados e presentes. E os compromete com a opinião mobilizada contra a corrupção. E 
isso é inverdadeiro e injusto.
Apoio?
Na disputa eleitoral não pode haver maior rasteira do que o apoio de Michel Temer: “Henrique 
Meirelles é a continuidade”.
De 82% de rejeição.

49 CRIANÇAS BRASILEIRAS PRESAS EM GAIOLAS NOS EUA, MAS ALOYSIO MENOPAUSA SÓ FALA DA VENEZUELA


Crianças brasileiras num número estimado em 49 continuavam aprisionadas nos EUA na 
manhã desta quinta, separadas dos pais, algumas em gaiolas; o governo brasileiro reage 
burocraticamente à verdadeira agressão do governo Trump ao Brasil e a outros países da AL -
ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, permanece em silêncio e dedica-se 
a seu tema favorito, atacar o governo eleito da Venezuela.

247 - Crianças brasileiras num número estimado em 49 continuavam aprisionadas nos EUA, 
separadas dos pais, algumas em gaiolas, na manhã desta quinta-feira. O governo brasileiro reage 
burocraticamente à situação que é uma verdadeira agressão do governo Trump ao Brasil e outros 
países da América Latina -o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, permanece 
em silêncio e dedica-se a seu tema favorito, atacar o governo eleito da Venezuela. Apenas na noite de 
ontem Itamaraty soltou uma nota formal sobre o assunto. 
Ontem, o deputado Arnaldo Jordy (PPS-PA) apresentou à Secretaria Geral da Câmara dos Deputados 
requerimento solicitando informações a Aloysio Nunes sobre quais providências estariam sendo 
tomadas pelo governo em relação às crianças brasileiras, mas sem qualquer resposta até agora. As 
únicas informações do governo brasileiro até o momento são iniciativa do cônsul adjunto do Brasil, 
em Houston, Felipe Santarosa. Ele informou à Agência Brasil que o trabalho dos diplomatas 
brasileiros neste momento é o de pesquisar onde estão essas instituições e fazer contato com os 
abrigos -um trabalho difícil por falta de informações precisas, informou. O cônsul Santarosa disse 
que a preocupação inicial é colocar as famílias em contato. O trabalho será localizar as crianças, 
visitá-las e verificar as condições em que estão. Depois, o intuito é estabelecer contato com as 
famílias.
Apenas na noite de ontem, depois que o assunto virou um escândalo de proporções mundiais, o 
Itamaraty soltou uma nota burocrática sobre a grave crise de direitos humanos. Na abertura da nota, 
um protesto frágil e a manifestação de "preocupação" em relação à crise, sem qualquer defesa das 
famílias e das crianças: "O governo brasileiro acompanha com muita preocupação o aumento de 
casos de menores brasileiros separados de seus pais ou responsáveis que se encontram sob custódia 
em abrigos nos Estados Unidos, o que configura uma prática cruel e em clara dissonância com 
instrumentos internacionais de proteção aos direitos da criança."
O Itamaraty disse ainda na nota que espera a “efetiva revogação da prática de separação” de crianças 
e pais -a revogação da política de separação das famílias foi anunciada por Trump ontem, depois de 
uma onda de repúdio mundial, que não contou com o concurso do governo Temer.
Além de não protestar e sair em defesa das famílias e especialmente das crianças brasileiras, o 
Ministério de Aloysio Nunes recomendou aos membros dos consulados a "realização de campanhas 
de esclarecimento, em coordenação com os conselhos de cidadãos brasileiros nos Estados Unidos, 
sobre os riscos da travessia pela fronteira, em especial com menores de idade".
A nota ainda afirma incrivelmente que "o governo brasileiro mantém consultas regulares sobre temas 
consulares com o governo norte-americano", como se a questão das crianças brasileiras fosse um 
"tema consular" -leia aqui.
_____________________________________

A REPRESENTAÇÃO ATUAL DA INTOLERÂNCIA


Jornal GGN - No dia 2 de julho a revista Time irá às bancas com esta capa. Uma crítica à política migratória do governo do republicano Donald Trump, que separa crianças de seus pais e responsáveis por entrarem nos Estados Unidos ilegalmente.
O título da matéria "Uma autocrítica após a política de separação de fronteira de Trump: que tipo de país somos?" faz críticas às políticas recentes adotadas por Trump. E, a foto da capa, é de uma menina de dois anos que caiu na rede anti-imigrante do republicano de plantão.
Trump voltou atrás quanto à separação das crianças e seus pais. A partir de agora, ao que tudo indica, crianças e adultos deverão ficar juntos, nas mesmas celas, já que o rigor irá continuar no quesito imigrantes. 

Mas aí.... Lembras do Ditador Figueredo??

MENINO VENENO DOS RURALISTAS, NIZAN GUANAES É O PUBLICITÁRIO DOS AGROTÓXICOS.... BOICOTE !!

Defensor da agricultura orgânica anos atrás, em artigo na Folha, Nizan informou à jornalista 
Andrea Sadi que aceitou “trabalhar a imagem” do setor ruralista. Nocaute teve acesso e 
publicou hoje, em entrevista com o sociólogo Carlos Alberto Dória, um filme publicitário que 
pode ser o início da campanha.

O publicitário Nizan Guanaes foi contratado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil 
(CNA) para trabalhar a imagem do setor em meio à polêmica do projeto de lei que afrouxa o controle 
de agrotóxicos, informou nesta tarde a jornalista Andrea Sadi em seu blog.
Aparentemente convertido à cruzada pro-agrotóxicos, há quatro anos Guanaes publicou uma enfática 
defesa dos alimentos orgânicos em sua coluna na Folha. Seguem alguns trechos:
“A comida do futuro é orgânica. (…) As pessoas estão cada vez mais preocupadas em comer e em 
dormir livres de substâncias químicas. (…) A Califórnia não é apenas o centro de tecnologia do 
mundo. Se você for a San Francisco, verá como a alimentação orgânica está tomando a cidade.”
Nocaute teve acesso a uma peça publicitária que faz a defesa dos agrotóxicos e critica duramente os 
artistas – Caetano Veloso entre eles – que apelam à Câmara dos Deputados a rejeição do projeto de 
lei que liberaliza ainda mais a produção e o uso de agrotóxicos no Brasil.

Por Rede Brasil Atual - Apesar de serem maioria na comissão especial na Câmara que analisa mudanças propostas para afrouxar as regras para toda a cadeia dos agrotóxicos, aumentando assim sua produção e consumo, os ruralistas enfrentam forte resistência para aprovar o chamado Pacote do Veneno. Tentam, sem sucesso, desde 16 de maio. A minoria formada por deputados do PT, PSB, Psol, PCdoB, PDT e SD tem conseguido segurar o avanço do trator ruralista, usando de todos os recursos legislativos previstos no regimento da Casa para forçar mais debates.
Os argumentos dessa minoria resistente vêm de mais de 250 notas técnicas e relatórios assinados pelas maiores autoridades em termos de saúde, meio ambiente, direitos humanos, nutrição, consumidor e produção agrícola do país. Anvisa, Instituto Nacional do Câncer, Fundação Oswaldo Cruz, Ibama, Idec, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ministério Público Federal e do Trabalho e mais de outras 200 entidades, associações e conselhos se manifestaram contra.
Se fosse pouco, a própria Organização das Nações Unidas enviou carta ao governo brasileiro advertindo sobre os perigos do Pacote do Veneno e as ameaças reais a diversos direitos humanos, entre eles à alimentação, à água de qualidade e a um meio ambiente equilibrado.
Sem argumentos e sem saída, os ruralistas e as empresas de agrotóxicos resolveram apelar. Segundo o site G1, contrataram o publicitário Nizan Guanaes para "trabalhar a imagem do setor em meio à polêmica do projeto de lei que afrouxa o controle de agrotóxicos".
Outra iniciativa provavelmente do setor é espalhar pelos grupos de WhatsApp um vídeo em que, por meio de informações, conceitos e dados incorretos, atacam um vídeo da organização 342 Amazônia.
No vídeo original, artistas como Zezé Motta, Alinne Moraes, Maitê Proença, Bruna Marquezine, Caetano Veloso, Guta Stresser e Paula Burlamaqui, entre outros, alertam a sociedade para os perigos dos agrotóxicos e do Pacote do Veneno.

FARSA A JATO: NOVO PROPRIETÁRIO QUITA A DIVIDA DE R$ 102 MIL DO TRIPLES ATRIBUIDO A LULA!!


G1 Santos

O empresário Fernando Gontijo, proprietário do triplex de Guarujá, no litoral de São Paulo, caso que
envolve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, quitou a dívida de IPTU que o imóvel tinha com a 
Prefeitura. O Condomínio Solaris, que fica na Praia das Astúrias, possuía um débito de R$ 
102.900,22. O valor entrou para os cofres públicos no início do mês, de acordo com a administração 
municipal.
Segundo a Prefeitura, a administração tomou ciência do pagamento ao pesquisar o valor da dívida, 
para atualizá-lo, e ver que ele havia sido totalmente quitado, incluindo o IPTU de 2018. No dia 30 de 
maio, o juiz federal do Paraná, Sérgio Moro, decidiu que a Prefeitura de Guarujá poderia receber 
antes da Petrobrás, o débito de IPTU do imóvel, que foi arrematado por R$ 2,2 milhões. Com isso, a 
Prefeitura ingressou com pedido de preferência no recebimento do valor do débito do IPTU com 
parte do valor arrematado.
Na ocasião, o juiz enfatizou que “o produto da venda do imóvel, objeto de confisco, seria revertido à 
vítima dos crimes, a Petrobrás após o trânsito em julgado. Isso não impede que débitos 
condominiais, de IPTU e outro, inadimplidos antes da alienação judicial, sub-roguem-se ao preço da 
arrematação”.
E ainda, que o arrematante depositaria “o preço da arrematação descontados os débitos informados 
pelo leiloeiro, dentre os quais o fiscal, o condominial e outros. Após, utilizando o saldo descontado, 
o arrematante deverá promover o pagamento dos tributos e demais débitos incidentes sobre o 
imóvel”.
(…)

A FARSA JATO NO SITIO DE ATIBAIA: TESTEMUNHAS RELATAM ABUSOS E ILEGALIDADES DA LAVA JATO


Policiais federais e procuradores da força-tarefa da Lava Jato coagiram uma mulher e seu 
filho de 8 anos ao tomar depoimento dela sem mandato, sem presença de advogado, às 6h da 
manhã e dentro do sítio cuja propriedade é falsamente atribuída ao ex-presidente Lula. É o 
que acontece diariamente nesta ‘República de Curitiba’ por esses juízes e procuradores que 
rasgaram a Constituição e perderam qualquer escrúpulo diante da sua sanha criminosa de 
perseguir a tudo e a todos em busca de seus objetivos”. 

O fato ocorreu em meados de 2016, mas a denúncia foi feita ao Judge Murrow nesta quarta-
feira por Lietides Pereira Vieira, irmão do caseiro do sítio e esposo da mulher sequestrada 
junto com o filho do casal, que desde então passa por tratamento psicológico. Moro determinou 
que seja apurado se houve abuso de autoridade no episódio. “Para o juiz Sérgio Moro 
suspender o depoimento e determinar que se abra uma investigação sobre abuso de autoridade 
dos procuradores e policiais federais envolvidos neste fato. 

O Uol dá conta de que testemunhas afirmaram ter sido procuradas por membros da PF (Polícia 
Federal) e do MPF (Ministério Público Federal) para falar sobre o sítio de Atibaia e Lula em 2016 e 
denunciaram supostos abusos de autoridade por parte dos agentes em depoimento ao juiz Sergio 
Moro. Moro disse que irá investigar os fatos relatados e abriu prazo de cinco dias para 
esclarecimento  pelo MPF.
Um dos relatos foi feito pelo eletricista Lietides Pereira Vieira, irmão de Élcio Pereira Vieira, o 
caseiro do sítio conhecido como Maradona. Ele afirmou que em março de 2016, agentes da PF e do 
Ministério Público retiraram sua esposa de casa às 6h da manhã, junto ao filho do casal, de 8 anos, 
para prestar depoimento no sítio. A mulher, segundo ele, é faxineira e fez a limpeza do sítio algumas 
vezes a pedido de Fernando Bittar, um dos proprietários do sítio.
“[Os agentes] estavam armados, com roupa tipo do exército, camuflada, e com armas na mão”, 
afirmou.
Vieira disse que os agentes não apresentaram nenhum tipo de intimação, mandado de apreensão ou 
de condução coercitiva. Ele relatou, então, que sua esposa e o filho permaneceram na propriedade 
por volta de uma hora. Os agentes teriam perguntado à mulher se ela conhecia o ex-presidente Lula e 
sobre os serviços que ela havia prestado no sítio.
“Perguntaram para ela se já tinha visto presidente Lula no sítio. Perguntaram para quem ela 
trabalhava. Ela disse que era para o Fernando Bittar”, disse.
O eletricista afirmou que, após o episódio, tanto a esposa como o filho ficaram abalados, mas que a 
criança sofreu traumas psicológicos e precisa de acompanhamento médico até hoje.
Já o pedreiro Edvaldo Pereira Vieira, outro irmão do caseiro, contou que foi procurado por pessoas 
que se apresentaram como integrantes do Ministério Público. Ele disse ter se sentido intimidado com 
a forma como os procuradores o questionaram sobre Lula e o sítio.
As declarações dos irmãos foram dadas durante os depoimentos a partir de questionamentos feitos 
pela defesa de Fernando Bittar. Em determinado momento, houve bate-boca entre Moro e Alberto 
Toron, um dos advogados do empresário, que disse buscar retratar a obtenção de provas ilícitas no 
processo.
“Eu quero saber se a testemunha que hoje senta aqui foi de alguma forma constrangida, já que essas 
pessoas se apresentaram na casa dela, que é uma pessoa simples, sem mandado, sem nada”, pontuou 
Toron.
Pouco depois, Moro questionou: “É ilegal, doutor, inquirir a testemunha na casa dela?”
“Vossa Excelência o dirá no momento próprio. Eu não estou questionando, estou querendo retratar 
uma situação”, respondeu o advogado.
O juiz ainda perguntou à testemunha se ela se sentiu ameaçada pelos procuradores na visita a sua 
casa. “Ameaçado não, doutor. Mas teve um tom bem forte, eu me senti constrangido”, respondeu o 
pedreiro. (…)

VÍDEO: O RETARDADO MENTAL FLAVIO ROCHA, DONO DA RIACHUELO, DIZ QUE ÍNDIOS E QUILOMBOLAS SÃO RESPONSÁVEIS POR DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA

FANFARRÂO QUER MANTER INTERVENSSÃO TABAJARA

Ele será promovido a General da Banda

Com o término da intervenção militar no Rio previsto para 31 de dezembro, o ministro Raul 
Jungmann (Segurança Pública) vai apresentar uma alternativa para manter a presença do Exército no 
estado. Como o maior entrave à continuidade da intervenção é a proibição de o Congresso modificar 
a Constituição — uma prioridade de todos os candidatos à Presidência —, Jungmann defende uma 
“intervenção branca”: um general poderia assumir a Secretaria de Segurança estadual, e as tropas 
ficariam no Rio por meio de uma operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO). O ministro tem 
convicção de que o próximo governador fluminense não estará disposto a abrir mão de um reforço de 
25 mil militares no combate à criminalidade.

quarta-feira, 20 de junho de 2018

APÓS A INDIGNAÇÃO MUNDIAL, DONALD PUM RECUA E DETERMINA QUE FAMÍLIAS SEJAM DETIDAS JUNTAS

Famílias imigrantes que atravessarem ilegalmente a fronteira sul dos Estados Unidos serão 
detidas juntas sob um decreto que o presidente Donald Trump assina nesta quarta-feira (20), 
disse uma autoridade do governo norte-americano.

(Reuters) - Famílias imigrantes que atravessarem ilegalmente a fronteira sul dos Estados Unidos 
serão detidas juntas sob um decreto que o presidente Donald Trump assinará nesta quarta-feira, disse 
uma autoridade do governo norte-americano.
O decreto também dará prioridade a essas famílias no que diz respeito aos procedimentos de 
imigração, mas não acabará com a política de tolerância zero do governo sobre a imigração ilegal, 
afirmou a autoridade.
____________________________________

Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela elege Diosdado Cabello como novo presidente do órgão


Cabello, um dos principais nomes do chavismo, foi empossado na terça-feira (19/06); Delcy 
Rodríguez foi nomeada vice-presidente do país por Nicolás Maduro

O deputado Diosdado Cabello, um dos líderes políticos do chavismo, tomou posse nesta terça-feira (19/06) como presidente da Assembleia Nacional Constituinte (ANC), após ter sido eleito por unanimidade. Ex-militar, homem leal ao ex-presidente Hugo Chávez, Cabello esteve ao seu lado em todos os momentos históricos da Revolução Bolivariana. Foi um dos militares que, junto com Chávez, se levantaram contra o governo de Carlos Andrés Pérez, em 4 de fevereiro de 1992. Também esteve na resistência contra o golpe de Estado de 2002, que tentou destituir o líder bolivariano com apoio dos EUA.
Querido pelos chavistas e odiado pelos opositores, o deputado constituinte classificou sua eleição para o órgão máximo do Estado venezuelano como “um novo começo, uma nova etapa” da Assembleia Nacional Constituinte que, em agosto, completa um ano desde que foi eleita.
Diosdado é o sucessor de Delcy Rodríguez, que na última semana foi nomeada vice-presidente da República pelo presidente Nicolás Maduro. Na Venezuela, o cargo de vice-presidente é indicado pelo poder executivo, segundo o estabelecido pela Constituição.
Rodríguez continuará liderando o processo de diálogo e reconciliação que se iniciou na ANC e que agora está a cargo da vice-presidência.
Reforma ministerialAlém da mudança na vice-presidência, o presidente Maduro realizou uma reforma ministerial na última quinta-feira (14/06). Outra nomeação de peso foi a de Tarek Al Aissami, antigo vice-presidente, para o ministério da Indústria e Produção Nacional. A pasta recém-criada concentrará todos os projetos econômicos importantes para a recuperação do país, de acordo com o presidente Maduro.
Assim como Delcy Rodríguez, o deputado constituinte Eduardo Piñate licenciou-se da ANC para assumir o ministério do Processo Social do Trabalho, que seria o equivalente ao ministério do Trabalho no Brasil. Segundo Maduro, a nomeação dos dois parlamentares constituintes tem como objetivo levar para o governo o “espírito renovador, transformador e revolucionário da ANC”.
No ministério da Mulher, saiu Blanca Eekhout, quadro histórico do chavismo, para a entrada da ex-governadora do estado de Aragua, Caryl Bertho, até então desconhecida no cenário político nacional.
Outros oito ministérios sofreram alterações. Para o Comércio Exterior e Investimento Internacional, foi nomeada a ex-presidente do Banco Agrícola, Yomana Koteich; no ministério de Pesca, Dante Rivas; Obras Públicas, Marleny Contreras, que antes era ministra de Turismo; no Turismo, entrou Stella Lugo; na Agricultura Urbana, Mayerlin Arias, que era coordenadora do programa de alfabetização Misión Robert Serra; Para o Ecoturismo, Henryck Rangel; Transporte, Hipólito Abreu; e no ministério do Abastecimento de Água, criado nessa semana, assumiu Evelyn Vásquez.
No total, foram 12 nomeações - sete de ministras mulheres. A maior parte é desconhecida da vida política nacional, alguns são quadros técnicos e jovens. Com a criação de duas novas pastas, nessa semana, a Venezuela passa a ter 33 ministérios. Os outros 21 cargos foram mantidos. O novo gabinete, que será responsável pela nova gestão do governo do presidente Nicolás Maduro, reeleito no dia 20 de maio para um mandato de seis anos, terá como principal tarefa a recuperação econômica do país e a reconciliação nacional.
"Dei tarefas específicas a nova vice-presidente. A primeira delas é a reconciliação e a paz nacional. A todos os atores sociais, políticos e econômicos quero dizer que aqui têm uma vice-presidente para o diálogo, para a reconciliação, para o entendimento e a paz", disse o presidente Maduro durante a posse dos ministros.

O IDIOTISMO DA MIDIA GOLPISTA BRASILEIRA: AO MENOS OITO CRIANÇAS BRASILEIRAS, ESTÃO PRESAS NOS EUA EM ABRIGOS TIPO CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO


POR FERNANDO BRITO   

Nenhum dos grandes jornais, até agora, percebeu o potencial de mobilização com o fato de que ao 
menos oito crianças brasileiras, com idades entre seis e 17 anos, estão presas nos Estados Unido, em 
abrigos semelhantes a campos de concentração, porque seus pais foram pegos em situação de 
imigração ilegal no país norte-americano.
Samuel Wainer, Paulo Bittencourt, Assis Chateaubriand ou Julio de Mesquita, há 50 anos, teriam 
agarrado como bandeiras de seus Última Hora, Correio da Manhã, Associados ou Estadão e estariam 
mandando correspondentes para achar, fotografar e entrevistar os meninos e meninas enjaulados pela 
política migratória de Donald Trump.
A diplomacia brasileira, desafiada pela mídia, estaria exigindo a imediata repatriação das crianças e 
de seus pais e eles seriam recebidos aqui por um mar de câmeras e microfones. Choveriam ofertas de 
emprego para os emigrantes frustrados de grandes empresas, interessadas no marketing espontâneo e 
as lágrimas dos pais inundariam as televisões.
Mal e mal, porém, temos chamadas pequenas, anódinas, salvando-se esta, ao menos em pé de 
página, de O Dia.
Já nem se fala no sabujismo de não criticar o “grande irmão do Norte” mesmo diante de situações 
vexatórias como esta, apenas mais uma no mar de monstruosidades chauvinistas dos EUA na gestão 
Trump. Mas nem mesmo sensacionalista esta pretensiosa mídia brasileira consegue ser.
Não há uma manchete garrafal, nenhum editorial indignado, nenhuma cobertura especial, que fica 
reservada para o corte do “miojo” da cabeleira de Neymar Jr e para a tal carta da CBF para a Fifa 
exigindo a falta sobre Miranda no gol da Suíça.
O “quarto poder” brasileiro vai cada vez mais se aproximando dos outros três, que atuam, 
repectivamente, nos padrões Temer, Centrão e Carmem Lúcia, numa mediocridade e genuflexão sem 
tamanho.
Cuba, a quem gostam tanto de criticar, moveu mundos e fundos para resgatar um criança levada 
contra a vontade do pai para os Estados Unidos e, aqui mesmo, não se economizou espaço e tempo 
para fazer o mesmo por um menino, filho de norte-americano, que era mantido pelos avós, influentes 
no Judiciário, longe do pai.
Crianças presas, meu Deus, pais e mães separados por nove meses, como registra o Estadão
discretamente. Drama para ninguém botar defeito; “mundo cão”, escândalo, comoção. Mas age-se 
como se estivessem falando de um caso de simples burocracia.
Guardaram toda a sua indignação moralista para adular os rapazes da Lava Jato.

NO CONGRESSO, CANALHAS VOTAM A DOAÇÃO DE BILHÕES DE BARRIS DO PRÉ-SAL


O Missa atrás do presidente ladrão (Crédito: Marcos Corrêa/Jornal Grande Bahia)

De preferência enquanto a Globo discute o novo corte do 
Neymarketing 

A Câmara dos Deputados adiou de terça 20/VI para esta quarta 21/VI a votação de um projeto de lei 
que, na prática, permite à Petrobras repassar a empresas privadas até 70% dos campos da cessão 
onerosa do pré-sal.
(O regime de cessão onerosa é o acordo pelo qual a Petrobas obteve o direito de explorar até 5 
bilhões de barris de petróleo no pré-sal).
O autor da ignominiosa ideia é o deputado José Carlos Aleluia, do DEM da Bahia.
O amigo navegante conhece essa figura de longuíssima data...
Foi ele, por exemplo, quem lutou com unhas e dentes para o Presidente Lula não receber o título de 
doutor honoris causa da Universidade de Coimbra, em PORTUGAL.
Aleluia é um obscuro "carlista" de quinta extração...
Na famosa lista de alcunhas da Odebrecht, é conhecido como o Missa.
Em abril deste ano, o Ministério Público Federal revelou evidências de pagamento de R$ 300 mil ao 
Missa por parte do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht.
De volta ao pré-sal: a oposição ao Governo Golpista conseguiu impedir a votação na terça-feira.
"Estão querendo entregar, vão entregar pra quem? Pra Chevron, pra Exxon, pra Shell, mas que 
parlamentar é esse que quer entregar a riqueza brasileira para as petroleiras do mundo?", pergunta o 
deputado Bohn Gass, do PT gaúcho.
Em 2010, foi o Governo Dilma que repassou para a Petrobras essa área do pré-sal com 5 bilhões de 
barris.
Mas, por que votar isso de maneira tão açodada?
Simples: a ideia é aprovar esse crime de lesa-pátria durante a Copa do Mundo, enquanto a Globo 
tenta enfiar o cabelo do Neymarketing goela abaixo do povo...

Em tempo: clique aqui e aqui para saber mais sobre os canalhas e canalhas...

NARCISO BARROSO, UM JUIZ MIDIOTICO


Barroso diz que Moro tem valor simbólico! É o personagem principal de "A Elite do Atraso"!
“Mandaria Jesus para a fogueira se ele 
voltasse e questionasse os princípios da Santa 
Igreja”. Tomás de Torquemada

Em seminário promovido pelo Globo, o ministro
Roberto Barroso, do STF, afirmou: “É uma
refundação que o Brasil vive, que está surgindo
uma nova ética pública e privada. O filme atual
é sombrio, mas poderemos ter um final feliz”.
Barroso não poupou seus pares e atacou o
próprio Supremo Tribunal Federal. Disse que o
fim das conduções coercitivas aprovada pelo
tribunal “foi um esforço para desautorizar juízes
corajosos”.
Nenhuma palavra sobre a presunção da inocência, sobre o direito do acusado de ficar calado, sobre
as garantias individuais.
Em palestra recente no Reino Unido, o ministro do STF afirmou ainda que “o Brasil tem sociedade
viciada em Estado”. Sobre a universidade pública, decretou: “ela custa caro e dá pouco retorno”.
Luís Roberto Barroso formou-se na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Fez doutorado na
mesma UERJ, onde é professor. Desde 1985 é Procurador do Estado do Rio de Janeiro. Em 2013
passou a integrar o STF. Funcionário público formado em instituições públicas, notabilizou-se como
advogado atuando em causas famosas defendidas pelo seu escritório.
Se a sociedade é viciada em Estado e a universidade pública não dá retorno, por experiência própria,
o doutor Barroso deve saber o que fala.
O ritual de transformação é sempre parecido. Garantistas viram Torquemadas. Advogados dos
movimentos sociais transformam-se nos justiceiros do Coliseu. A ascensão aos salões da elite
brasileira testa convicções. Quem não resiste, corre para dar demonstrações cabais de que se livrou
do “pecado de suas origens”.
Partir da constatação de problemas reais para chegar à conclusões recheadas de ideologia é uma
artimanha conhecida. Chagas reais viram nuvens para confundir e justificar posições neoliberais,
conservadoras e autoritárias.
A corrupção é uma disfunção presente em todos os países, não se trata de um privilégio do
patrimonialismo tupiniquim herdado do “infortúnio de nossa herança portuguesa”, como querem
fazer crer alguns. Os yuppies de Wall Street, que quebraram o mundo com a jogatina de 2008, fazem
os problemas brasileiros parecer brincadeira de criança.
Vivemos uma era de luzes, com neoiluministas do aparato estatal dispostos a enfrentar interesses
para refundar a nação? Não me parece o caso.
Que estruturas estão sendo reinventadas? Há em curso uma revolução social democrática? A riqueza
está sendo repartida? Superamos o monopólio privado das comunicações? Fizemos uma reforma
tributária socialmente justa? Acabamos com a agiotagem pilotada por meia dúzia de banqueiros
bilionários?
Nossa história indica que estamos vivendo a repetição da sanha antidemocrática de uma elite
antinacional apoiada em setores da burocracia estatal ávidos por um lugar na “primeira classe”.
Getúlio e Jango podem se chamar Lula. Médici e Geisel podem ser chamados de Moro e Dallagnol.
Saem as fardas, armas e tanques. Entram as togas, ternos Armanis e câmeras de televisão. A
república do Galeão poderia ser em Curitiba. A CIA, mais discreta e moderna, se chama agora NSA.
O crime de lesa-pátria é tão grave quanto às torturas. Assassinaram milhões de empregos com o
desmonte da engenharia nacional. Acabaram com a imagem da proteína animal brasileira no mundo. 
Vivemos uma profunda recessão. Estão destruindo a nação. É esta a refundação?
O Estado Democrático de Direito foi abandonado no meio fio. A “bruxa democracia” está sendo
queimada na fogueira.
O moralismo de auditório rasgou nossa Carta Magna e tirou o gênio obscurantista da garrafa.
Empurrou nosso país para a divisão. A única refundação em curso é, infelizmente, a do fascismo
deplorável.
Ele vem das sombras, não tem nada de novo e não parece apontar um “final feliz”.

OS EUA NA ERA PUM!!! Estados Unidos anunciam saída do Conselho de Direitos Humanos da ONU... VÍDEO: crianças separadas dos pais nos EUA são mantidas em jaulas e Rachel Maddow, âncora da MSNBC, chora ao ler notícia sobre crianças



VÍDEO: Rachel Maddow, âncora da rede americana MSNBC, chora ao ler noticiário sobre as 
crianças separadas dos pais nos EUA.

Selfie de Donald Pum na saída do cabeleireiro 

ASSISTA: CIRO MANDA A M........ BOLSOMINIOS EM EVENTO DE PREFEITOS


O presidenciável Ciro Gomes (PDT) foi alvo de apupos nesta terça (19), em BH, durante o 35º 
Congresso Mineiro de Municípios.
Ciro se irritou com o tempo disponibilizado pela organização do evento para ele responder às 
perguntas e com a interrupção do mestre cerimônia.
“Eu estava falando sobre isso, ele [mestre de cerimônias] sequer ouviu e faz a mesma pergunta que 
estava falando e ele interrompeu. Então está respondido”, lamentou o pré-candidato do PDT, que no 
momento da interrupção discorria sobre reforma tributária.
O congresso de prefeitos ocorreu no estádio Mineirão.
Quanto as vaias que Ciro Gomes levou, um conforto do dramaturgo e jornalista Nelson Rodrigues 
adaptado: “No estádio de futebol, até o silêncio é vaiado” [ele se referia ao Maracanã, no Rio].

NARCISO BARROSO, PORTA-VOZ DE MORO E DA GLOBO NO SUPREMO, PRESSIONA STF CONTRA LULA LIVRE


O Globo e Valor Econômico, jornais da Quadrilha Marinho, abriram duas páginas para o 
ministro Luís Roberto Barroso, o Narciso do STF, com o objetivo de salvar Sérgio Moro da 
vala de descrédito em que ele e a Lava Jato se enfiaram e pressionar o Supremo para que não 
liberte Lula no próximo dia 26; é uma situação curiosa na qual ministro da suprema corte 
torna-se porta-voz de um juiz de primeira instância sob patrocínio do grande oligopólio de 
comunicação do país.

QUEM SÃO OS CLIENTES DE SEU ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA?

247 - Os jornais O Globo e Valor Econômico da família Marinho abriram duas páginas hoje (20)
para o ministro Luís Roberto Barroso, do STF, com o objetivo de salvar Sérgio Moro da vala de
descrédito em que ele e a Operação Lava Jato se enfiaram e pressionar o Supremo para evitar que a
Corte decida-se por libertar Lula no próximo dia 26. É uma situação curiosa na qual ministro da
suprema corte torna-se porta-voz de um juiz de primeira instância sob patrocínio do grande
oligopólio de comunicação do país.
As frases de Barroso destacadas pelos jornais dos Marinho são exemplares: "Sobre a atuação do juiz
Sergio Moro, acho que ele é um juiz competente, técnico, sério e que serviu muito bem ao país. Já
estive em mais de um evento com ele e não acho que seja uma pessoa deslumbrada. Pelo contrário,
acho que é uma pessoa séria e discreta. Todos nós estamos sujeitos a erros, não estou dizendo que ele
acerte sempre, porque ninguém acerta sempre. Mas acho que ele, sobretudo fora do Brasil, passou a
desempenhar um pouco o papel simbólico do enfrentamento da corrupção em um Estado em que ela
havia se tornado sistêmica. Acho que esse símbolo é relevante".
O texto publicado em O Globo e reproduzido no Valor Econômico é todo escrito de maneira
editorializada e busca caracterizar a Operação Lava Jato aos moldes de um conto de fadas, onde
Moro faz o papel de herói na luta contra os "maus", o PT. Diz a reportagem: "Principalmente depois
de ter condenado o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Moro tornou-se alvo de dirigentes
do PT e militantes do partido".
As duas páginas dedicadas a Barroso têm, no fim das contas, o objetivo de pressionar a Segunda
Turma do STF (da qual Barroso não faz parte) para que não tome uma decisão pela liberdade de Lula
no julgamento marcado para a próxima terça (26). Presidido por Ricardo Lewandowski, o colegiado
é composto também por Edson Fachin (relator da Lava Jato no STF), Dias Toffoli, Gilmar Mendes e
Celso de Mello. Barroso, na reportagem, faz uma dança cínica com os repórteres. Primeiro diz que
"não vou opinar sobre o mérito do julgamento de colegas na próxima semana e, a seguir, entra no
mérito (!). Leia:
"Barroso evitou comentar o caso da condenação de Lula, mas reforçou que a sentença foi confirmada
por três desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que analisaram o
recurso apresentado pela defesa do ex-presidente. 'No caso específico do presidente Lula, não vou
opinar sobre o mérito, porque não li e não opino sobre o mérito de decisões que não passaram sob a
minha jurisdição. Apenas lembraria que ela [decisão] foi revista em tribunal por três juízes
igualmente sérios e competentes. Não estou dizendo que ela está correta ou não está correta, até
porque erros acontecem na vida, inclusive erros no Judiciário. Mas a decisão dele [Moro] foi
confirmada pelo tribunal superior por unanimidade', destacou."
Porta-voz de Moro, Barroso não se furtou a criticar abertamente os ministros do STF, no mesmo
espírito "conto de fadas" da Globo: "A opinião positiva sobre Moro, adverte, não se estende a todos
os colegas de Corte: 'No Supremo também existe uma divisão entre os que desejam empurrar a
história, acreditando que estamos criando um novo país, uma nova ordem, e os que têm pactos
profundos com a velha ordem. Portanto, todo processo de transformação vive resistências. E essas
pessoas da velha ordem têm aliados em toda parte.'"
Os próximos dias serão de uma guerra aberta, com as Organizações Globo pressionando e
chantageando os ministros do STF para impedir que Lula seja libertado. A campanha mobiliza todos
os veículos e noticiários do grupo, a começar pelo Jornal Nacional, e deve se radicalizar depois da
derrota de Moro, dos Marinho e do Barroso nos 5 a 0 que, na noite de ontem, inocentou a presidente
do PT, Gleisi Hoffmann, depois de dois anos de campanha aberta e agressiva contra ela movida pelo
consórcio Marinho/Moro.

APESAR DO MINISTRO FAKE HIN E DO DECÁLOGO DO GOLPE, STF ABSOLVE GLEISI: A CANOA DO MURROW ESTÁ VIRANDO !!


Delações premiadas valem tanto quanto um Powerpoint...

Edson Fake-hin, que se dispôs a ser uma espécie de supremo escudeiro de Sérgio Moro na Lava Jato,
deu um voto de contorcionista para pedir a condenação de Gleisi Hoffman no absurdo processo da 
Lama Jato. As acusações são pífias e baseadas apenas em delações – que, aliás, se contradizem e 
mudam ao longo de todo o processo – e em rabiscos de iniciais “PB” que, insiste a promotoria, se 
refeririam a Paulo Bernardo, marido da hoje senadora e presidente do PT. Não há provas, embora 
Fake -hin tenha preferido usar a expressão “insuficiência de provas”. 
Segundo o delator Correa, Paulo Roberto Costa teria transferido R$ 1 milhão para a campanha de 
Gleise por ordem de Dilma. Mas Paulo Roberto Costa diz que Dilma nunca lhe pediu nada e que deu 
o dinheiro para ficar “amigo” de Paulo Bernardo. Duas histórias totalmente diferentes e 
contraditórias, mas que, para o raciocínio rastejante de Fachin servem como prova de que o milhão 
existiu. E, com pase nesta “prova” imaterial, pediu a condenação, já que não tinha como pedir por 
corrupção, por “falsidade ideológica” eleitoral, por não ter declarado o dinheiro como doação. 
Decididamente um Ministro FAKE ! 
Os ministros Lewandowski, Toffoli e o ministrário Gilmar Mendes derrotaram Fake-hin e o decalogo 
golpista Celso de Mello na Segunda Turma e absolveram a presidente do PT, Gleisi Hoffmann das
"acusações" do "procuradores" da Lava jato, que, como sempre, se baseiam em "delações" que são 
confirmadas no jornal nacional, mas não nos fatos.
Semana que vem o jornal nacional e Moro serão de novo julgados no Supremo.
O Supremo vai analisar se Lula pode acompanhar, em liberdade, os desdobramentos de sua 
condenação e o direito de se candidatar à Presidência.
Pouco a pouco a casa do Moro cai.
E do próprio Supremo, porque não fosse o Supremo, Moro não passava de Maringá - como explicou 
o mestre Janio de Freitas, no artigo que o Conversa Afiada republicou como "o criminoso é o 
Supremo". 
____________________________________________

terça-feira, 19 de junho de 2018

NARCISO BARROSO CHEGOU TARDE... SÓ TEM VAGA DE “SUB MURROW” OU DE MINISTRO DE BOLNOSSAURO


Barroso, o Narciso do Supremo.....

POR FERNANDO BRITO

Luís Roberto Barroso é um destes personagens que, de tão lamentável, não se sabe se é apenas um 
tolo vaidoso ou um ambicioso à procura de ser visto como o “bastião da moralidade” por interesses 
inconfessáveis.
Hoje, no Rio, disse que os seis ministros que votaram pelo fim das ilegalíssimas conduções 
coercitivas, que fazem com que qualquer pessoa possa ser tirada de casa pela polícia e levada como 
prisioneira a depor, sem mesmo ser intimada antes, foram ” uma manifestação simbólica daqueles 
que são contra o aprofundamento das investigações” sobre corrupção.
Felizmente, no Supremo, o ambiente é de “vossa excelência” para cá e para lá, porque na vila do 
subúrbio onde fui criado é caso de tomar satisfações. Sim, porque Barroso está acusando Rosa 
Weber, Ricardo Lewandowski, Celso de Mello, Marco Aurélio e Gilmar Mendes de cúmplices do 
acobertamento de roubos ao dinheiro público.
Este cidadão consegue descer mais baixo que Gilmar Mendes no convívio com seus pares e, 
certamente, é um dos responsáveis por aquela Corte, em lugar de julgar com madura serenidade os 
processos, tenha se tornado um “Fla-Flu” onde o placar é inevitavelmente 6 a 5, apenas mudando o 
lado para o qual Rosa Weber se inclina.
Barroso, de certa forma, chega a quase sugerir que, não podendo conduzir de surpresa qualquer 
pessoa a um interrogatório, os juízes passem mesmo logo a prender sem motivo. Ou melhor, como 
forma de burlar a decisão judicial tomada pelo STF:
— Do ponto de vista da efetividade processual, não acho que seja uma diferença muito grande. Pelo 
contrário, pode até produzir um efeito inverso ao pretendido, porque a condução coercitiva é uma 
alternativa menos gravosa do que a prisão temporária. De modo que você proibir a condução 
coercitiva, você dá um incentivo à adoção de uma medida mais drástica.
Com este grau de grosseria e ofensa, Barroso parece querer se habilitar a ser Ministro de Jair 
Bolsonaro, porque não é possível achar que, dentro do Supremo, este tipo de agressão vá ficar sem 
um interpelação duríssima de quem está sendo chamado de protetor de corruptos.
Barroso, porém, não merece uma solução à moda suburbana. Nem mesmo o lugar de pretendente a 
Sérgio Moro vai ocupar. Chegou tarde, Doutor.

Hoje é aniversário do Chico Buarque de Holanda, um Ícone da música brasileira, Parabéns! #chico



A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

CEM DIA DE INTERVENSSÃO TABAJARA NO RIO: UM FRACASSO


Samira Bueno: Por que o Rio de Janeiro e não Rio Grande do Norte? Por que não Alagoas?
Sergipe? Que são estados com taxas de homicídio muito superiores. A intervenção, ela não só não
vem surtindo efeitos, como você cria uma crise republicana e federativa, porque você tem vários
estados com indicador de criminalidade superiores ao do Rio de Janeiro, então como é que você
justifica, não só a intervenção pelo ponto de vista da mobilização dos quadros do exército, mas
também o recurso que está indo pra lá.
Reginaldo Nasser: Recentemente, com a questão da intervenção no Rio, o general Augusto
Heleno, que um dos que mais tem falado nisso, foi um dos primeiros comandantes de tropas na
“missão de Paz no Haiti, e ele tem dado muita entrevista agora, ele está na Reserva, mas é uma
pessoa de referência, e ele diz isto claramente; “Nós vamos fazer no Rio de Janeiro o que nós
fizemos no Haiti”. O general tem aparecido na televisão, na Globo, como especialista em segurança
pública, que é uma coisa muito interessante, porque se você voltar um pouco, é tradicional, os
militares não admitem que são de segurança pública, no primeiro momento, no sentido clássico: a
função do militares é defender o país, o combate externo e eventualmente nós entramos nas questões
internas. Hoje eles estão admitindo explicitamente isso.
Bueno: Eu não gosto dessa expressão “guerra”, porque eu acho que quando a gente fala que o
Brasil está em guerra, é uma justificativa para a gente usar o exército, e é um pouco o que está
acontecendo no Rio de Janeiro, uma justificativa de que o Rio de Janeiro está em guerra e por isso
uma necessidade de usar a intervenção das Forças Armadas, então não deixa de ser, a gente não
deixa de conviver com indicadores de guerra, mas isso tem maios a ver com a incompetência do
poder público no desenvolvimento de políticas de segurança, do que efetivamente, um quadro de
descontrole ou de uma guerra entre etnias.
Nasser – Ele trocou o comando de segurança pública que está alocado no governo, podemos
discordar, mas eleito democraticamente etc. e colocou sobre o comando militar, isso é inédito nesse
período pós ditatura civil militar, então a mudança é essa. Eu diria que ao acontecer isso eles estão
querendo ir mais além. Eu me lembro que uma vez eu fui perguntar a um dos generais e eu vi minha
ingenuidade e inocência apesar de estudar política. Eu perguntei: Quando essas tropas vão para esse
campos e tudo mais, eles são regidos pelo que? Direito nacional humanitário, direitos humanos? Ele
falou: nenhum dos dois, regra de engajamento.
O que é essa regra de engajamento? Cada tropa de uma regra que é dada pelo comandante, e ele da a
liberdade para aquele que está em ação resolver o que ele deve fazer. Então, esse cara ali no terreno,
ele tem o poder de decidir, se aquele que está ali tem intenção hostil, não tem intenção hostil.
Ao lado disso, o que aconteceu? Os militares passam a ser julgados nesses atos pela Justiça Militar.
Veio coroar esse processo de intervenção. Eles estão atuando dentro do país, dentro das comunidades
como se fosse um teatro de guerra. Isso é guerra. Então são militares atuando como polícia, fazendo
operações policiais, mas ao mesmo tempo trazem esse ethos da guerra.
Bueno: Eu não consigo ver uma forma do Brasil sair dessa crise que não seja o investimento em
política pública. E colocar as Forças Armadas para fazer isso é exatamente o que nós não deveríamos
fazer. Estamos adotando o modelo mexicano e temos todos os exemplos de que a “mexicanização”
da segurança pública não só não vai funcionar no Brasil como não funcionou no México. Então a
minha única preocupação de trabalhar com essa concepção de guerra é que a gente reforça o modelo
belicista, militarizado, que a gente vem fazendo até agora e não funcionou.A gente tem que enfrentar
isso de maneira séria e entender que isso é uma responsabilidade do poder público nas suas três
esferas. Segurança pública não é só um problema de polícia. Se fosse, já teríamos resolvido.
Nocaute: Você acha que isso abre um precedente para uma intervenção maior?
Nasser: Abre o precedente, não tenha dúvida nenhuma. Porque pôs um pé ali dentro do governo,
governo do estado eleito, e numa área fundamental que é segurança. Não é de se estranhar que numa
sequência de eventos eles venham interpretar também que o governador está inabilitado para isso.
São princípios de estado de direito, democráticos, que vêm sendo corroídos progressivamente e
gradativamente. Hoje no mundo não temos mais aquele modelo de 60 e 70, toma de uma vez, golpe
militar. Você tem a corrosão sistemática, progressiva de várias coisas que atingem as pessoas no seu
cotidiano. É uma outra forma. Mas não tenho dúvida nenhuma de que é um precedente muito
perigoso.
Bueno: A redemocratização do Brasil não mudou nada na arquitetura institucional da segurança
pública. A gente vem de um período de ditadura militar e manteve as mesmas pessoas, nas mesmas
posições, dizendo para elas que tinham que fazer política de segurança. Um pouco do que a gente
vive hoje é reflexo das escolhas que fizemos ou não fizemos nos anos 80, dos fantasmas que a gente
não enfrentou. E o pior: estamos flertando com o autorismo num momento em que Jair Bolsonaro
aparece como um dos principais candidatos à Presidência.
A esquerda historicamente no Brasil não se preocupou com políticas de segurança pública porque
apostava que com a redução da desigualdade a gente ia resolver os dilemas cruciais da violência e
vários outros. E isso não se converteu. Ao passo que a direita o tempo todo nesses últimos 30 anos
ficou discutindo política de segurança pública e conseguiu impor um modelo hegemônico.
O que a gente vem reproduzindo é um modelo que a direita idealizou. Mas a esquerda nunca teve
nada para colocar como contraponto. Então veio com um projeto de direitos humanos muito forte,
mas esqueceu que tinha que ter política de segurança junto. Se essas duas coisas não andam de forma
conjunto, acontece o que aconteceu no Brasil: uma desmoralização completa dos direitos humanos.
As pessoas acreditam que direito humano é coisa de bandido, não entendem que isso é uma
efetivação de direitos para toda a população e no fundo até hoje a esquerda não tem um plano real e
concreto para a redução da violência. Acho que essa é a maldição da esquerda hoje no Brasil.

ONDE SE ESCONDE O ITAÚÚÚ


Neca era bandeirosa demais... Neca Setúbal de xale vinho, a ex-sombra. Bláblárina vive à 
sombra de bancos.

Informa o PiG cheiroso que o Itaúúúú conseguiu na Justiça impedir recurso na Câmara Superior do 
Conselho de Recursos Fiscais, o CARF.
É uma batalha feroz contra a cobrança de Imposto de Renda e da Contribuição sobre o Lucro 
Líquido (CSLL).
O Itaúúú deve ao povo brasileiro R$ 26,6 bilhões da operação com que comprou o Unibanco - eles 
dizem que foi uma fusão...
Os representantes do povo brasileiro (os poucos que restam) na Justiça e no Tesouro querem cobrar - 
como manda a Lei.
Os donos do Itaúúú e do Unibanco não querem pagar.
Eles estão mal acostumados.
Recentemente, se soube que os sete herdeiros das famílias controladoras do Itaúúú e Unibanco 
embolsaram, CADA UM, a bagatela de R$ 9 bilhoes, por conta de dividendos, SEM PAGAR UM 
TUSTA DE IMPOSTO!!!
O Ciro Gomes esculhambou a operação e anunciou que vai taxar dividendos e herança.
A Bláblárina, que gosta muito do Verde dos banqueiros, não se pronunciou sobre a matéria, até 
porque seria indelicado tratar disso na frente de seu guru, o André Haras Resende.
O que talvez explique o misterioso desaparecimento de Neca Setúbal, uma das herdeiras do Itaúúú e 
dessa obscena fortuna.
Na campanha de 2014, quando Blablárina apoiou o ladrão do Mineirinho, o mais chato para receber 
propina, Neca Setúbal era o poder oculto, ou quase.
Ou quase, porque, às vezes, ela assumia o protagonismo, saía de trás do Verde da Fadinha da 
Floresta e falava pela subserviente candidata.
Neste ano de 2018, Neca sumiu!
A Fel-lha está perplexa: "Ex-sombra ("ex-sombra" é óóótimo - PHA) de Marina, Neca se afasta da 
campanha - em 2014, sua participação associou a candidata a interesses do mercado".
O que evidentemente não significa que a Bláblá pretenda se afastar do mercado...
Que o Haras Resende representa de forma gloriosa.
É que talvez o sobrenome da Neca seja um exagero.
E depois dos R$ 9 bilhões os Setúbal agora talvez pretendam a sombra.
Ou a moita.
Do Banco Central.

Paulo Henrique Amorim

FESTIVAL LULA LIVRE DIA 28 NO RIO

Manifesto Lula

Pedir a imediata libertação de Luís Inácio Lula da Silva não significa apenas um gesto de 
solidariedade ao mais popular presidente deste nosso país.
Significa também um gesto de solidariedade a todos nós, brasileiros e brasileiras. Um gesto de 
exigência para que se respeite a Justiça, pilar básico de qualquer sistema minimamente democrático.
O caso de Luís Inácio Lula da Sila tem um simbolismo único na história recente do nosso país.
Todo o julgamento do presidente Lula foi um erro jurídico sem limites. Não havia, na primeira 
instância – leia-se Curitiba –, uma única e mísera prova dos crimes dos quais ele foi acusado. Não se 
trata de opinião, mas de constatação.
O mesmo se deu na segunda instância, o TRF-4, onde prevaleceu a ausência de provas, 
demonstrando que se impôs claramente uma perversa manobra jurídica, armada e efetivada diante da 
complacência de todas as demais instâncias.
Inadmissível é não permitir que Lula participe das eleições. Inadmissível é mantê-lo preso num 
flagrante desrespeito às regras mais elementares da Justiça.
Com o país à deriva, com o crescente aumento dos riscos de naufrágio, é imperioso retomar, com 
urgência, o rumo da normalidade. E essa caminhada só se dará com a realização de eleições 
efetivamente livres e representativas da vontade popular.
Nós nos opomos rigorosamente à arbitrariedade a que Lula está submetido, e que deve cessar de 
imediato. Queremos sua liberdade já.
Entendemos ser direito invulnerável dos 146 milhões de eleitores poderem optar inclusive por não 
votar nele.
Diante de semelhante cenário, nós, trabalhadores e trabalhadoras das artes e da cultura, convocamos 
todos os setores democráticos da sociedade para um ato em defesa da urgente liberdade de Lula e da 
retomada da normalidade democrática, independente de partidos e correntes políticas.
Assim, unidos numa frente ampla e irrestrita, realizaremos no dia 28 de julho, na Praça dos Arcos da 
Lapa, no Rio de Janeiro, o mesmo tipo de evento que vem sendo realizado em diferentes cidades de 
diferentes países: o FESTIVAL LULA LIVRE.

Chico Buarque
Conceição Evaristo
Eric Nepomuceno
Fernando Morais
Hildegard Angel
José Celso Martinez Correa
Leonardo Boff
Lucélia Santos
Luís Nassif
Luiz Carlos Barreto
Martinho da Vila
Ziraldo

VÍDEO: O comentário de Lula sobre a estreia do Brasil na Copa lido no programa de Trajano na TVT

segunda-feira, 18 de junho de 2018

PAPA FRANCISCO: AS DITADURAS COMEÇAM COM A GLOBO


Primeiro dão o aparato de comunicação a uma empresa; depois, entram os juízes...

Via Vatican News:

Para destruir instituições ou pessoas, se começa a falar mal. A esta “comunicação caluniosa”, o Papa Francisco dedicou a homilia na missa na Casa Santa Marta.
A sua reflexão parte da história de Nabot narrada na Primeira Leitura, no Livro dos Reis. O rei Acab deseja a vinha de Nabot e lhe oferece dinheiro. Aquele terreno, porém, faz parte da herança dos seus pais e, portanto, rejeita a proposta. Então Acab fica aborrecido “como fazem as crianças quando não obtêm o que querem: chora.
A sua esposa cruel, Jezabel, aconselha o rei a acusar Nabot de falsidade, a matá-lo e assim tomar posse de sua vinha. Nabot – notou o Papa – é portanto um “mártir da fidelidade à herança” que tinha recebido de seus pais: uma herança que ia além da vinha, “uma herança do coração”.
Os mártires condenados com as calúnias
Para Francisco, a história de Nabot é paradigmática da história de Jesus, de Sаnto Estevão e de todos os mártires que foram condenados usando um cenário de calúnias. Mas é também paradigmática do modo de proceder de tantas pessoas de “tantos chefes de Estado ou de governo”. Começa com uma mentira e, “depois de destruir seja uma pessoa, seja uma situação com aquela calúnia”, se julga e se condena.
Como as ditaduras adulteram a comunicação
“Também hoje, em muitos países, se usa este método: destruir a livre comunicação”.
Por exemplo, pensemos: há uma lei da mídia, da comunicação, se cancela aquela lei; se concede todo o aparato da comunicação a uma empresa, a uma sociedade que faz calúnia, diz falsidades, enfraquece a vida democrática. Depois vêm os juízes a julgar essas instituições enfraquecidas, essas pessoas destruídas, condenam e assim vai avante uma ditadura. As ditaduras, todas, começaram assim, adulterando a comunicação, para colocar a comunicação nas mãos de uma pessoa sem escrúpulo, de um governo sem escrúpulo.
A sedução dos escândalos
“Também na vida cotidiana é assim”, destacou o Papa: se quero destruir uma pessoa, “começo com a comunicação: falar mal, caluniar, dizer escândalos”:
E comunicar escândalos é um fato que tem uma enorme sedução, uma grande sedução. Seduz-se com os escândalos. As boas notícias não são sedutoras: “Sim, mas que belo o que fez!” E passa… Mas um escândalo: “Mas você viu! Viu isso! Você viu o que aquele lá fez? Esta situação… Mas não pode, não se pode ir avante assim!” E assim a comunicação cresce, e aquela pessoa, aquela instituição, aquele país acaba na ruína. No final, não se julgam as pessoas. Julgam-se as ruínas das pessoas ou das instituições, porque não se podem defender.
A perseguição dos judeus
“A sedução do escândalo na comunicação leva justamente ao ângulo, isto é “destrói” assim como aconteceu a Nabot, que queria somente “ser fiel à herança dos seus antepassados” e não vendê-la. Neste sentido, também é exemplar a história de Sаnto Estevão, que faz um longo discurso para se defender, mas aqueles que o acusavam preferem lapidá-lo ao invés de ouvir a verdade. “Este é o drama da avidez humana”, afirma o Papa. Tantas pessoas são, de fato, destruídas por uma comunicação malvada:
Muitas pessoas, muitos países destruídos por ditaduras malvadas e caluniosas. Pensemos por exemplo nas ditaduras do século passado. Pensemos na perseguição aos judeus, por exemplo. Uma comunicação caluniosa, contra os judeus; e acabavam em Auschwitz porque não mereciam viver. Oh… é um horror, mas um horror que acontece hoje: nas pequenas sociedades, nas pessoas e em muitos países. O primeiro passo é se apropriar da comunicação, e depois da destruição, o juízo e a morte.
Reler a história de Nabot
O Apóstolo Tiago fala precisamente da "capacidade destrutiva da comunicação malvada". Em conclusão, o Papa exorta a reler a história de Nabot no capítulo 21 do Primeiro Livro dos Reis e a pensar em "tantas pessoas destruídas, em tantos países destruídos, em tantas ditaduras com 'luvas brancas'" que destruíram países.

VAMPIRÃO VIAJA (PARAGUAI ...kkkkk ....) E VOVÔ ADAMS ASSUME


Na Presidência da República, Cármen Lúcia tem uma agenda de audiências com ministros, 
embaixadores e um governador. Pela manhã, às 11h, ela recebe o governador do Pará, Simão 
Jatene, o desembargador Ricardo Ferreira Nunes, do Tribunal de Justiça do Estado do Pará, e 
o procurador-geral do Estado do Pará, Ophir Cavalcante Junior.
 
Agência Brasil - Antes de embarcar, na manhã de hoje (18), para o Paraguai, onde participa da 
reunião de Cúpula do Mercosul, o presidente Michel Temer transmitiu o cargo para a presidente do 
Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, na Base Aérea de Brasília. Temer retorna 
ao Brasil ainda hoje, no início da noite.Agência Brasil - Antes de embarcar, na manhã de hoje (18), 
para o Paraguai, onde participa da reunião de Cúpula do Mercosul, o presidente Michel Temer 
transmitiu o cargo para a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, na 
Base Aérea de Brasília. Temer retorna ao Brasil ainda hoje, no início da noite.
Antes de embarcar para o Paraguai, onde participa da reunião de Cúpula do Mercosul, Michel 
Temer – o mais rejeitado da história da política brasileira, transmitiu o cargo para a presidente 
do STF, ministra Cármen Lúcia; exercício do cargo vai durar até o início da noite desta
segunda-feira (18); até lá a agenda prevê audiências com ministros, embaixadores e um
governador.


Na agenda da tarde estão marcadas audiências com o embaixador João Gomes Cravinho, da União 
Europeia, e Denise Dowling; e com o embaixador da República Eslovaca no Brasil, Milan Cigán. A 
última audiência do dia será às 16h com a ministra da Advocacia-Geral da União, Grace Maria 
Mendonça, e o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia.
É a segunda vez que Cármen Lúcia assume a Presidência da República nesse período pré-eleitoral. A 
primeira foi em abril, quando ocupou o posto durante a viagem de Michel Temer ao Peru, para a 8ª 
Cúpula das Américas.
Como o cargo de vice-presidente está vago, o primeiro da linha sucessória para assumir o comando 
do país é o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), seguido do presidente do 
Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE). Pela legislação eleitoral os dois poderiam se tornar inelegíveis 
para alguns cargos caso ocupem o comando no Executivo nos seis meses que antecedem as eleições. 
Eles têm então optado por agendar compromissos fora do país quando o presidente Temer faz 
viagens internacionais.

NEYMARKETING É RIDICULIZADO NA REDE


Neymarketing chamou muito a atenção na primeira rodada da Copa do Mundo; não por seu 
futebol, fraquíssimo; mas por seu cabelo; foram dois cortes, o "macarrão" nos treinos e o 
"calopsita" no jogo; acabou ironizado nas redes sociais em todo o mundo; o ex-jogador francês 
Eric Cantona alfinetou o brasileiro com uma foto depois de virar um prato de macarrão em 
sua própria cabeça.

247 - Neymar chamou muito a atenção na primeira rodada da Copa do Mundo. Não por seu futebol, 
fraquíssimo. Mas por seu cabelo. Na véspera do jogo contra a Suíça, o corte de cabelo de Neymar 
casou espanto e logo foi apelidado de corte-macarrão. No jogo, domingo, o jogador apareceu com o 
corte "calopsita". Foi ironizado nas redes sociais em todo o mundo. O ex-jogador Eric Cantona, ídolo 
do Manchester United e da seleção francesa nos anos 1990, alfinetou o brasileiro com uma foto 
depois de virar um prato de macarrão em sua própria cabeça.
– Estilo Neymar... espaguete al dente! – escreveu Cantona.
O meme é chamada para o programa do francês no canal Eurosport, no qual, num monólogo, falando 
diretamente para a câmera, o ex-jogador analisa o futebol atual. No programa, ele critica o futebol e 
o cabelo de Neymar.

Qualquer semelhança é mera coincidência!

domingo, 17 de junho de 2018

VÍDEO – Maradona manda recado a Lula!


“Meu amigo Lula, tenha muita força porque você deu ao 
Brasil o que ele merece. Os corruptos, infelizmente, vencem 
algumas batalhas, mas as guerras dos países são vencidas por 
aqueles que realmente querem bem ao povo. Siga adiante 
porque todos o apoiamos”. 





[VÍDEO] ‘BRASIL HEXA, LULA TRI’ É O TEMA DO 
NOVO VÍDEO DA CAMPANHA DE LULA