quinta-feira, 11 de maio de 2017

LULA: ESTOU VIVO E VOU VOLTAR !!


"Eu respeito a Justiça e exijo respeito de volta!"  Discurso do Presidente Lula marcou o 
encerramento do ato desta quarta-feira, 10/V (Crédito: Ricardo Stuckert)

As principais declarações do Presidente Lula em discurso feito no centro da capital paranaense, na 
noite desta quarta-feira, 10/V:

- nenhuma manifestação é tão gratificante quanto essa, por saber que vocês confiam em 
alguém que está sendo massacrado!

- haverá um momento em que a História irá mostrar que nunca antes no Brasil alguém foi tão 
perseguido como estou sendo!

- se um dia eu tiver cometido um erro, eu não quero ser julgado apenas pela Justiça. Quero 
antes ser julgado pelo povo brasileiro!

- hoje eu achei que os meus acusadores fossem mostrar algum documento. Depois de dois anos 
de massacre, esperava que fosse ter algum documento mostrando que eu comprei um 
apartamento. Nada! Perguntaram se eu conheço Vaccari, Léo Pinheiro etc.

- não quero ser julgado por interpretações. Quero ser julgado por provas!

- Virei em quantas audiências forem necessárias! Porque se tem um brasileiro que está em 
busca da verdade, sou eu!

- se um dia eu tiver que mentir pra vocês, eu prefiro que um ônibus me atropele em qualquer 
rua deste País (diz, às lagrimas)

- estou vivo! E estou me preparando para voltar a ser candidato à Presidência!

- se a elite não tem competência para consertar este País, o metalúrgico vai provar que é 
possível consertar este País (...) Eu respeito a Justiça! A única coisa que peço em troca é que 
eles me respeitem!



Um comentário:

JOSE AMERICO SALGADO disse...

“Eu não sei” foi a frase mais dita por Lula em suas cinco horas de depoimento diante do juiz Sergio Moro. Semblante crispado, nervosismo patente em cacoetes como cofiar o bigode, abrir e fechar compulsivamente as pernas dos óculos de leitura, beber sucessivas garrafas de água, folhear (sem ler) o calhamaço de papel à sua frente e arrumar o nó na gravata, como se o tivesse apertando, eram gestos a indicar um animal político fora de seu hábitat.