segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Diretora do Ibama diz que licença para Belo Monte tem base técnica

Gisela Forattini afirma que a permissão, concedida na quarta-feira, para a instalação parcial da usina foi concedida com base em cinco pareceres. 

A diretora de Licenciamento do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Gisela Forattini, disse hoje (31) que a licença de instalação parcial para a Usina de Belo Monte foi concedida com base em cinco pareceres técnicos.
“Vimos essa licença como algo de uma forma absolutamente tranquila, embasada em cinco pareceres técnicos. Fizemos uma série de reuniões, mais de 20. Fizemos também uma vistoria enorme da área, alem de termos nos reunido com mais de 100 representantes de diversas instituições “, afirmou, durante o EnerGem LatAm 2011, conferência regional sobre geração de energia.
A licença, concedida na quarta-feira (26) pelo Ibama, autoriza a construção de canteiros de obra próximos ao Rio Xingu, acampamento e aberturas de estradas de acesso ao local, embora o Ministério Público Federal no Pará questione a medida. Segundo o órgão, a obra foi permitida antes do cumprimento das condicionantes socioambientais.
Durante o evento, o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Mauricio Tolmasquim, defendeu as condicionantes que, segundo ele, vão levar desenvolvimento sustentável à região, reafirmando que o empreendimento “tem que cumprir tudo o que está na lei”.
“Pelo que conheço do Ministério do Meio Ambiente, do Ibama, é que eles não fariam nada contra a lei, porque antes de fazer qualquer coisa, têm o suporte da Advocacia-Geral da União (AGU). Não acredito que nada será feito ao arrepio da lei”, afirmou.
Agência Brasil 
_______________________

AS DUAS PRESIDENTAS

Na Argentina Dilma recebe Madres de la Plaza de Mayo

Dilma e as Mães de Maio

Antes de iniciar sua visita a Buenos Aires, Dilma Rousseff concedeu entrevista a três jornalistas argentinos e definiu a Argentina como um parceiro de alcance estratégico, prometeu abrir o Brasil a fornecedores argentinos e disse que os direitos humanos não são negociáveis. "Estamos pensando em uma política de conteúdo regional, conjunta, com a Argentina. Estamos elaborando uma agenda para que Argentina e Brasil, países com grandes recursos alimentares e também energéticos, possam aumentar a agregação de valor e a geração de emprego na região".
> LEIA MAIS
________________________

O EGITO NA GEOPOLITICA

Aqui naufragou o Império Britânico.

Pelo Canal de Suez, que liga o Mar Vermelho ao Mediterrâneo, em 2009, passaram, por dia, 1 milhão e 800 mil barris de petróleo.
O oleoduto de Sumed corta o território do Egito e liga o Mar Vermelho ao Mediterrâneo.
Em 2009, por Sumed passaram 1 milhão 100 mil barris/dia de petróleo.
Ali ao lado estão a Líbia e a Argélia, que produzem mais petróleo que o Egito.
O Egito abastece Israel de petróleo e gás.
O Império Britânico acabou na Guerra de Suez, de 1956.
Um predecessor de Mubarak, o coronel Nasser, nacionalizou o Canal de Suez.
Israel, com o apoio da França e da Inglaterra, reagiu e declarou guerra ao Egito – e ganhou.
Mas, os Estados Unidos e a União Soviética decidiram que ficava tudo como antes.
O Canal, nacionalizado.
E a Inglaterra e a França, de bico calado.
O Império Britânico acabou ali.
Estados Unidos e União Soviética passaram a dividir o Oriente Médio.
E, agora, no Canal de Suez, o Império Americano corre o risco de naufragar, também.
Se insistir em Mubarak. 

Paulo Henrique Amorim
________________________________

PiG é PiG até no Egito

Milton Temer é o único deputado federal a exigir do Banco Central de Fernando Henrique informações (jamais concedidas) sobre Daniel Dantas.
Ele foi o primeiro naquele prédio a perceber que Daniel Dantas era uma ameaça ao sistema político do país.
Temer chamou a atenção das redes sociais para o fato de a Globo enviar um repórter ao Cairo para cobrir o vandalismo.
Temer, é o que a Folha faz.
Na primeira página, no alto, “Saques e atos de vandalismo levam pânico ao Cairo”.
“Uma onda de pânico se espalhou pelo Cairo”, inicia o bravo “enviado”.
De “pânico” e júbilo, alegria, fervor, esperança com a queda iminente de um ditador feroz.
O PiG é assim, Temer, PiG até no Cairo.
Cobrir o Egito da perspectiva do vandalismo é o mesmo que dizer que o protagonista do Novo Testamento é Judas.
Agora, amigo  navegante, imagine um “enviado” do PiG ao Egito.
Diante dele, a ruína de um sistema pago pelos Estados Unidos – US 1,5 por ano, há 30 anos -, com a finalidade de manter o fluxo do petróleo e a estabilidade do regime de Israel.
(Depois de Israel, o Egito recebe a maior mesada do Tesouro americano.)
Um sistema, portanto, que pressupõe discriminação e perseguição em Gaza e a supressão do Estado Palestino (em boa hora reconhecido pelo Governo Nunca Dantes).
Imagine um representante do PiG chegar ao Cairo e ver diante dos olhos ruir um sistema que formava oficiais superiores das Forças Armadas no Pentágono, em Washington.
Um sistema que podia montar no Egito, com exclusividade, tanques americanos M1A1 Abrams com licença especial.
Um Porto Rico com o Museu do Egito – é o que era o Egito do Mubarak.
(Ou um México, já que a corrupção no sistema Mubarak era um modo de vida.)
O PiG está diante de um impasse.
Ainda não sabe o que os Estados Unidos vão fazer.
A esperança numa “transição ordenada” – como disse a Hillary – não basta para orientar o PiG.
Hillary ainda não sabe até que ponto os islamitas mandarão no novo regime.
Até que ponto serão preservadas as relações com Israel.
Se a Jordânia – outro Porto Rico – vai cair junto.
Com certeza, o que se sabe, é que Mubarak entra para a lista do Xá da Pérsia e do Toni Blair: é uma fria ser poodle dos Estados Unidos.
Fora do poder, o poodle não tem direito nem a água.
Como o Xá da Pérsia com os comunistas, Mubarak vendia a carta “ou eu ou o Bin Laden”.
A verdade é que, enquanto a Al Jazeera cobre o levante popular, a tevê estatal egípcia cobre o vandalismo.
Como o PiG.
Deviam mandar o William Waack para lá.
Seria perfeito, com aquelas mandíbulas mubarakianas. 

Paulo Henrique Amorim
___________________________________

A TORRE DE BELÉM DO PARÁ



Egito. Eleição de outubro será antecipada. Família de Mubarak foge para Londres.

Mubarack, já era. 
1. Uma lenda está a circular no Egito, cujo número de mortos, até as 12 horas deste domingo, chegou a 150.
As mortes estão ligadas aos protestos populares e às violências que eclodiram na terça 25.
Conta a lenda ter um comum do povo formulado pergunta ao antigo faraó. A pergunta foi considerada embaraçosa pelos circunstantes.: “Como o senhor faraó conseguiu tornar-se tão poderoso ?
A resposta do faraó foi direta, sem rodeios ou leguleios: “ Ninguém nunca tentou me parar”.
2. Hosni Mubarak chegou ao poder em outubro de 1981. Depois do assassinato por parte de extremistas islâmicos do presidente Anwar Sadat.
O general Mubarak era herói nacional. Lutara no Sinai e em Gaza (Guerra dos 6 dias) e, também, na chamada guerra do Kippur de 1973. Quando do assassinato de Sadat, Mubarack era o vice-presidente e se tornou o sucessor natural.
Com apoio em eleições plebiscitárias marcadas pela fraude, Mubabarak, — como na lenda do faraó–, foi ficando e nem vice-presidente quis ter mais.
3. A resistência do povo egípcio começa quando o octagenário Mubarak resolveu a preparar a sua sucessão. Tudo em face das eleições marcadas para outubro de 2011.
O nome tirado do bolso do colete pelo ditador foi o do filho mais novo, Gamal Mubarak, de 47 anos de idade e casado com a filha de um megaconstrutor.
Diante da reação popular desta semana e da proporção conquistada, — na verdade um efeito dominó iniciado com a revolta na Tunísia e que legou à deposição do ditador Ben Ali (fugiu para a Arábia Saudita)—, Mubarak tenta não jogar a toalha, ou melhor, luta para salvar alguns anéis, em especial ter de se exilar.
Por cautela e a seguir os passos do tunisiano Bem Ali, o presidente Mubarack despachou a família para Londres.
Como se percebe, começou a fuga. E isto corre entre os revoltosas nas ruas, praças ee casas.
Com efeito, os revoltosos já sabem da fuga e, hoje, receberam a adesão de juízes e clérigos. Juízes e clérigos saíram às ruas em apoio aos revoltosos.
PANO RÁPIDO. Não há mais dúvida. Mubarak perdeu.

A nomeação de um vice-presidente militar, o general Omar Suleiman (74 anos), representa uma tentativa de retomar o controle da situação. Para isso, o poder, de fato, já foi entregue ao Exército.
Aliás, um Exército que deixou claro, pelos seus chefes, que não aceitaria Gamal Mubarak como sucessor, como desejado pro Mubarack para a eleição de outubro.
Omar Suleiman, com 20 anos na chefia do serviço secreto, teve papel importante como mediador entre palestinos e israelenses.
O Exército quer Omar Suleiman na chefia do estado e é o único nome capaz de evitar que o Egito saia da ditadura de Mubarak e cai numa islâmica radical.
Segundo dados do Instituto Georgáfico de Agostini, edição de 2010, a defesa de Mubarack estava a cargo de dois corpos de segurança: (1) Força de Segurança Central ( 232 mil homens) e (2) a Guarda Nacional ( 60 mil homens).
Apesar do grande um número de homens de segurança presidencial, a história se repete. Ou seja, muitos agentes dos dois corpos de segurança já mudaram de lado e engrossam os protestos populares.
Omar Suleiman, no momento, conta com o apoio dos chefes militares e estes comandam 468.500 homens. Estão sendo anunciadas reformas e promessas de reformas constitucionais democráticas: a Constituição é de 11 de setembro de 1971 e a última modificação, para aumentar os poderes de Mubarack, deu-se em 26 de março de 2007.
____________________________

Lula é o político mais atacado pela mídia desde 1989

No Blog da Cidadania

Você, estudante de jornalismo, de comunicação social, de ciências sociais, enfim, de tantas áreas afeitas ao estudo ou à prática da comunicação de massa, se estiver terminando seu curso universitário e tiver um trabalho de conclusão a apresentar, tem agora uma oportunidade imperdível de fazer o estudo mais eloqüente já feito sobre comunicação.

É tão evidentemente necessário, o estudo que irei propor, que não sei como não foi feito antes – e duvido de que tenha sido feito, ao menos da forma como será apresentado. Entretanto, se alguém tiver notícia sobre algum estudo correlato, que, por favor, informe aqui, via comentário.

No último domingo, discorri sobre os programas humorísticos da Globo e sobre o uso desses programas para atacar alguns políticos em benefício de outros, transformando uma concessão pública de televisão em arma político-partidária – o que a lei veda, mas não coíbe em razão do poder político de impérios de comunicação como uma Globo.
[Leia Mais...]
_____________________

Indios isolados no Brasil

As fotos foram tiradas pela Funai (Fundação Nacional do Índio), que autorizou a Survival utilizá-las como parte de sua campanha para proteger o território dos índios isolados.
Elas revelam uma comunidade próspera e saudável com cestos cheios de mandioca e mamão fresco cultivados em suas roças. 
A sobrevivência da tribo, no entanto, está em sério perigo por causa da entrada de madeireiros ilegais que estão invadindo o território dos índios isolados no lado peruano da fronteira. As autoridades brasileiras acreditam que o influxo de madeireiros está empurrando índios isolados do Peru para o Brasil.
A Survival e outras ONGs estão fazendo uma campanha há anos para que o governo peruano aja de forma decisiva para impedir a invasão.
No ano passado, uma organização dos EUA --Upper Amazon Conservancy-- realizou o último de vários sobrevoos do lado do Peru, revelando mais evidências de extração ilegal de madeira em uma área protegida.
"Tem que cuidar e proteger o lugar onde os índios moram, pescam, caçam e plantam. Por isso é útil mostrar as imagens dos isolados, para o mundo inteiro saber que eles estão lá na floresta deles e que as autoridades devem respeitar o direito deles de morar lá", disse o líder indígena Davi Kopenawa Yanomami.
José Carlos dos Reis Meirelles, sertanista da Funai no Acre, disse que são povos meio desconhecidos. "É difícil convencer até o próprio Estado que eles existem. A partir disso, você demarcar um território maior para eles já é uma dificuldade --é um desafio porque você vai mexer com um monte de interesses. É o segundo desafio é manter realmente essa terra isenta de interferência externa." __________________________

MENSAGEM URGENTE DOS/AS ATIVISTAS NO EGITO, POR FAVOR REPUBLIQUEM SE POSSÍVEL!


"Para todas as pessoas do mundo."

Alicia Ali Marsden

O povo do Egito está sob cerco governo. O regime de Mubarak bloqueou Facebook, Twitter, e todos os outros sites populares da Internet. Agora, a Internet está completamente bloqueada no Egito. Amanhã o governo irá bloquear 3 provedoras de telefonia celular, a rede estará completamente bloqueada.
E há informações de que até mesmo linhas telefônicas serão cortadas amanhã, para evitar que qualquer agencia de notícias consiga acompanhar o que esta acontecendo.
A província de Suez já esta sob cerco. O governo cortou suprimento de água e eletricidade, pessoas, crianças e idosos estão sofrendo lá nesse momento. Os pacientes dos hospitais não conseguem atendimento médico de urgência. Os manifestantes feridos estão deitados nas ruas e a polícia de choque não esta deixando que as pessoas os ajudem. Os familiares das pessoas assassinadas não podem obter os corpos de seus filhos para enterrá-los. Este cenário se repete no norte de Saini (cidade El-Sheikh Zoyad) e no oeste do Egito (Al-salom). A polícia de choque está reprimindo os manifestantes em Ismailia, Alexandria, Fayoum, Shbin Elkoum, e Cario, a capital, em diversos bairros em toda a cidade.
O governo está se preparando para reprimir manifestantes em todas as cidades egípcias. Eles estão usando bombas de gás lacrimogêneo, balas de borracha e de plástico, químicos como gás mostarda contra os manifestantes. Muitos manifestantes foram mortos hoje ao serem atropelados por veículos blindados da polícia. Oficiais à paisana carregando pás e facas usadas para intimidar os manifestantes. Ladrões implantados pelo Mnistério do Interior do Egito estão perambulando pelas ruas de Cairo, ateando fogo em nos pneus dos carros na tentativa de gerar propaganda ruim e demonizar os manifestantes e justificar as agressões policiais e a tortura do estado.
Tudo isso vem acontecendo nos últimos três dias durante as manifestações pacíficas em Cairo e em outras cidades. Agora, com o silêncio suspeito da mídia local e a falta de cobertura dos meios internacionais, Mubarak e sua gangue estão bloqueando todos os canais que podem informar o mundo sobre o que está acontecendo.
As pessoas que demandam à sua liberdade precisam do seu apoio e de sua ajuda. Você irá ajudá-los?
Os/as ativistas estão inundando a rede (youtube e outros sites) com milhares de fotos e vídeos mostrando a polícia de choque atirando em pessoas indefesas. A polícia começou a usar balas de verdade contra os manifestantes. Uma garota de 15 anos foi ferida e um homem de 25 anos levou um tiro na boca. Enquanto nada disso aparece na mídia, haverá mais acontecimentos amanhã. Você vai ficar calado? Você vai ficar de boca fechada enquanto vê toda essa crueldade e ações desumanas?
Nós não estamos pedindo muito, apenas que retransmitem o que está acontecendo.
http://www.twitlonger.com/show/8fflmc

Carta da Dilma

Em carta ao presidente da Itália, Giorgio Napolitano, a presidente Dilma Rousseff indicou que manterá a decisão do antecessor do ex presidente Lula de não extraditar o italiano Cesare Battisti. 
 
Clique na imagem para ler a carta

A ALEGRIA DO LULA

Secretário da Justiça da Bahia associa Ali Kamel a racismo

Na sociedade racista brasileira, o normal é ser branco.

lmiro Sena é o novo Secretário de Justiça e Direitos Humanos da Bahia.
Sena é Promotor de Justiça do Ministerio Público da Bahia e Coordenador do Grupo e Atuação especial de Combate ao Racismo e à Intolerância Religiosa no MP da Bahia.
Ele é provavelmente o primeiro Secretário de Governo no Brasil fiel da religião umbandista.
Saravá, governador Jacques Wagner !
Sena é autor do livro “A Cor da Pele”, do Instituto Memória Editora.
A epígrafe do livro é “na sociedade racista brasileira o normal é ser branco.”
Este ansioso blogueiro recomenda especialmente o capítulo “A negação do racismo como discurso eficiente para sua disseminação”.
Ali, Sena examina célula por célula a “obra” de autor de um trabalho sub-científico de titulo “Nós (nós, quem ? – PHA) não somos racistas”.
Sena também examina um outro sub-cientista de sobrenome Magnoli.
Sobre Kamel, diz Sena: “… o discurso da negação termina por reforçar a existência do racismo, pois além de obstar a sua desconstrução ideológica entre o grupo discriminador, tem o efeito, peculiarmente perverso, de dificultar, mais ainda a conquista da igualdade material por parte do grupo discriminado, já que contesta qualquer medida concreta de redução de desigualdade entre ambos. Ademais, novamente, avilta à dignidade dos que são historicamente ofendidos pelo racismo, transformando-os , aos olhos dos incautos, nos ‘verdadeiros racistas’. “
Como se sabe, Kamel, o mais poderoso diretor de jornalismo da História da Globo, se vale do púlpito das Organizações (?) Globo para combater as cotas nas universidades, com a obstinação de um cruzado.
Sena, porém, não escreveu o livro para combater Kamel.
Ele tem mais com que se preocupar.
E demonstra com um zelo profissional irreparável como, por exemplo, a ideologia da “eugenia” e sua derivação “eugenia social” se impôs ao pensamento conservador brasileiro.
Sena desconstrói o sub-argumento (Kamel é um dos usuários) conservador de que depois da Abolição não houve obstáculos legais à ascensão do negro.
Papo furado.
Mostra o autor no capítulo “A condescendência da legislação brasileira com o racismo”.
Sena não poupa nem o genio do Padre Vieira.
Racista, mas genial.
Kamel é de outra grei. 

Paulo Henrique Amorim
___________________________________

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Simão Jatene segue os passos de Arruda, com escândalo da cervejaria Cerpa


O governador tucano do Pará, Simão Jatene, pode ser a bola da vez entre os governadores que caem por envolvimento em escândalo de corrupção, seguindo os passos de José Roberto Arruda (ex-DEMos/DF).
O motivo é o processo 2007.39.00.009063-6 no Tribunal Regional Federal do Pará, contra o governador demo-tucano e outros. Trata-se de um inquérito policial que apura:

- Corrupção Passiva;
- Crimes contra a administração pública;
- Falsidade Ideológica;
- Crimes contra a fé pública;
- Corrupção ativa;
- Crimes praticados por particular contra a administração em geral.

Eleito governador, recobrou foro privilegiado, e o processo contra ele deve subir para o STJ, o mesmo tribunal onde foi expedido o mandado de prisão contra Arruda.
O escândalo vem desde a eleição de 2002 (primeira vitória de Jatene), conforme descreveu reportagem da revista IstoÉ nº 1833 de novembro/2004:
Tudo começou na manhã de 12 de agosto de 2004, quando o fiscal do Ministério Público do Trabalho, acompanhado de um procurador e dois delegados da Polícia Federal, chegou à sede da Cerpa, flagrando uma funcionária do departamento pessoal com a boca na botija: Ana Lúcia Santos separava os envelopes e contava R$ 300 mil em notas miúdas com que fazia o pagamento “por fora” dos funcionários, sem registro em carteira.

Com a perícia sobre documentos e computadores apreendidos, além da fraude trabalhista, os agentes encontraram relatórios detalhados com nomes, datas e valores descrevendo a relação de corrupção explícita existente entre a cervejaria e a campanha do governador.
Em um dos documentos, como atas de reunião, um executivo da Cerpa descreveu a decisão de agosto de 2002, em plena campanha eleitoral: “Ajuda a campanha do Simão Jatene p/Governo, reunião feita com Dr. Sérgio Leão, Dr. Jorge, Sr. Seibel, a partir de 30/08/02 (toda Sexta-feira), R$ 500.000, totalizando seis parcelas no final.”
Seibel é Konrad Karl Seibel, dono da Cerpa.
Leão é Francisco Sérgio Leão - atual secretário de Governo - que presidia a comissão estadual que avaliava a política de incentivos, na época.
Perdão de impostos e "caixinha" de campanha
Em 2000, no governo Almir Gabriel, a CERPA ganhou de presente o perdão da dívida de quase R$ 47 milhões de ICMS atrasado e uma dezena de autuações por fraude e sonegação. Uma caixa com 24 garrafas de cerveja, com valor de R$ 21, viajava com nota fiscal de R$ 3, segundo apuraram os promotores.
Em contrapartida ao perdão, acusa a representação do INSS enviada ao procurador-chefe do Ministério Público do Pará, Ubiratan Cazeta, a Cerpa prometia contribuir com R$ 4 milhões para a campanha de Jatene, “além de se comprometer a efetuar outros pagamentos no montante de R$ 12,5 milhões”.
Os primeiros R$ 3 milhões foram pagos em seis parcelas de R$ 500 mil – a última exatamente no dia da eleição, 3 de outubro. O troco de R$ 1 milhão foi pago 21 dias depois.
O reforço de R$ 12,5 milhões, conforme os livros de contabilidade apreendidos na blitz, foi pago em prestações durante do final do mandato de Gabriel e nos dois primeiros anos do governo de Jatene, em 2003 e 2004.
A cota final de R$ 6 milhões foi parcelada em dez vezes – a última delas programada para agosto de 2004.

Caixa-2

Nas fichas de lançamento da Cerpa, processadas pelo assessor da diretoria Pedro Valdo Saldanha Souza, a caixinha de Jatene é camuflada como “despesa de mesas e cadeiras para postos de venda” ou “compra de brindes de fim de ano”.
No final de agosto de 2002, poucas semanas antes das eleições, a Cerpa repassou R$ 202.050 para a campanha tucana, disfarçados de “patrocínio das festividades do Círio de Nazaré”, a maior festa católica da Amazônia. Nenhum pagamento foi contabilizado como doação de campanha.
Nove meses depois da posse, Jatene assinou três decretos num único dia, 29 de setembro de 2003, concedendo à Cerpa um desconto de 95% no ICMS devido ao Estado e prorrogando seus benefícios fiscais por mais 12 anos, ao lado de outras 37 empresas.
Os "favores" resultaram no inquérito por favorecimento ilícito à Cerpa. Correm outros processos correlatos a este.

Isabel Allende tem certeza de que pai se matou

A senadora Isabel Allende, filha do ex-presidente chileno Salvador Allende, tem certeza de que a investigação judicial sobre a morte do seu pai confirmará que se suicidou para não se render aos golpistas e que "morreu por própria decisão e vontade, como gesto de dignidade".
Em entrevista concedida à agência de notícias Efe em Palma de Mallorca (Espanha), a senadora socialista destaca que a denúncia judicial sobre a morte de seu pai é a mais simbólica do conjunto de 726 queixas de violações de direitos humanos destinadas a satisfazer o desejo de Justiça de muitas famílias de vítimas da ditadura que "não têm a versão completa ou não conseguiram encontrar ou identificar os corpos" dos desaparecidos.
"Isso fecharia um ciclo na medida em que se concluam todas essas investigações", defende Isabel, orgulhosa do trabalho político e judicial de revisão dos crimes da ditadura de Pinochet.
Com relação à investigação sobre a morte de seu pai durante o cerco ao Palácio La Moneda em 1973, Isabel revela não questionar a hipótese de suicídio. "Nós não temos dúvidas, acreditamos na versão dos médicos que estiveram com meu pai", explica Isabel em nome de sua família.
"Meu pai tinha dito com toda clareza que ele não sairia vivo de La Moneda. Ele não seria desses presidentes que tomam o avião exilados, pagaria com sua vida a lealdade aos trabalhadores", revela a senadora.
_____________________________

EGITO EM CHAMAS. TOQUE DE RECOLHER



O NOVO CENÁRIO PAULISTA


Por Guilherme Scarzilli

Com a morte de Orestes Quércia, antigo opositor dos governos Lula e parceiro conveniente de José Serra, o vice-presidente Michel Temer avança para o domínio do PMDB de São Paulo. A chegada de Baleia Rossi ao comando provisório do partido faz parte da movimentação.
Enquanto isso, Geraldo Alckmin e Aécio Neves mandam Serra às favas na sucessão tucana. E Gilberto Kassab começa a debandar do DEM.
Somados, são indícios suficientes para antevermos um rearranjo das facções políticas no Estado que já concentrou e alavancou o oposicionismo nacional.
Gilberto Kassab prepara sua transferência para o PMDB há meses.
Ao contrário do PSDB, o partido da vice Alda Marco Antônio sempre evitou puxar o tapete do prefeito durante as muitas dificuldades. A aliança com certo malufismo quercista, ou quercismo malufista, resultou de uma tratoragem típica de José Serra e colocou interesses muito díspares para repartir as fotos sorridentes.
Acontece que a peemedebização do hoje demo Kassab, especialmente depois da morte de Orestes Quércia, facilita sua proximidade com o governo federal. Não por coincidência, PDT, PC do B, PR, PV e PSB foram convidados a fazer parte do governo municipal. Receberam saborosas ofertas de cargos e tendem a aceitar.
A quem interessa que parte da base de apoio a Dilma Rousseff seja dragada para essa armadilha política? Aqueles partidos precisam de fato imiscuir-se no loteamento da impopular administração Kassab?
Seria prudente que a militância dessas agremiações (algumas com longa tradição de luta na esquerda nacional) começasse a debater o caso antes que se chegue à etapa dos fatos consumados.
_________________________

A Dra Cureau de novo ! Agora ataca o papelzinho do Brizola

A Dra Cureau está ao fundo da foto. 

O Conversa Afiada reproduz e-mail que recebeu do Maneschy, fiel discípulo do Brizola e, a seguir, reproduz a douta peça da imparcial Dra Sandra:

Paulo Henrique, agora via Ministério Público Federal, a turma das trevas contra-ataca: madame Cureau apresentou uma ADIN no STF para acabar com a impressão do voto eletrônico impresso – obrigatória a partir de 2014. 
Está prestando serviço ao Johnbim e à ‘thcurma’ da justiça eleitoral. 
Dá uma conferida e não deixa barato essa história. Se não pusermos a boca no trombone, nada vai acontecer. Precisamos de ajuda. 
Confere: 
http://www.pdt.org.br/index.php/noticias/ministerio-publico-federal-quer-fim-do-voto-eletronico-impresso 
Osvaldo Maneschy 
Conheça www.votoseguro.org

A dra Sandra Cureau tentou tirar do ar o Blog Amigos do Presidente Lula.
Tentou fechar a Carta Capital e mereceu delicada resposta do Mino Carta.
E se submeteu a fragorosa derrota na Justiça Eleitoral, ao tentar importunar este ordinário e ansioso blog – clique aqui para ir à aba “Não me calarão”.
O desempenho da Dra Sandra na eleição foi de comovente imparcialidade.
Agora, ela ataca o Brizola, coitado.
Coitado do Briza, até depois de morto.
Depois de uma batalha incansável contra os agentes da treva Nelson Johnbim e Eduardo Azeredo, os fiéis discípulos do Brizola conseguiram aplicar o “papelzinho” na eleição de 2014.
Porque, sem o papelzinho, é impossível conferir o resultado de uma eleição.
Urna eletrônica sem papelzinho é uma contribuição do Johnbim e do Azeredo à História da Tecnologia Universal.
(Como se sabe, outra inestimável contribuição do Johnbim é a babá eletrônica que derrubou do ínclito delegado Paulo Lacerda.)
(O Brizola cismou com o papelzinho quando os militares quase roubam a eleição dele a governador do Rio, para dar ao Wellington Moreira Franco, quando o Wellington era o “angorá da ditadura”, segundo o Brizola.)
Agora, a Dra Cureeau, sempre imparcialíssima e amicíssima do Johnbim, tenta acabar com o “papelzinho”.

Paulo Henrique Amorim
___________________________

FRASE DO DIA

"Vou repetir três vezes. Nós não vamos contingenciar o PAC" 

 Presidenta Dilma, em resposta a "Ministros da Casa" Colunistas Demo-Tucanos e Instituições Internacionais, como o FMI, que estão batendo o bombo do retrocesso à agenda neo-liberal dos anos 90.
_____________

Egito amanhece sob blecaute eletrônico no quarto dia de protestos contra Mubarak

Desde os primeiros minutos desta sexta-feira, inúmeras páginas e endereços da internet no Egito estão inacessíveis, segundo os usuários.
O serviço de troca de mensagens curtas por celular (SMS) também foi afetado.
Além disso, os egípcios não conseguem acessar as redes sociais Facebook e Twitter, conforme relataram jornalistas no local.
Gráficos disponibilizados na rede pela empresa de monitoramento Renesys mostram que à 0h34 (hora local) praticamente todas as rotas das redes egípcias deixaram de ter tráfego para os demais países.
O problema surge horas antes de uma nova manifestação, programada pela internet. Desde a década de 1960, manifestações só podem ocorrer no Egito com autorização governamental.
o governo negou qualquer interferência nos provedores ou nas páginas das redes sociais, como já havia sido denunciado nos três primeiros dias de protestos populares contra a situação econômica do país e o presidente Hosni Mubarak.
Na redes sociais, é imensa a quantidade de mensagens dizendo que os egípcios temem pela reação da polícia, mas não vão desistir das manifestações programadas paraa logo depois das orações muçulmanas.
Até hoje, sete pessoas morreram nas manifestações, entre manifestantes e policiais, tanto no Cairo quanto na cidade de Suez, na entrada sul do canal de mesmo nome.
Além disso, dezenas de pessoas ficaram feridas nos confrontos e centenas foram detidas. Em ao menos 40 casos, os detidos são acusados de tentativa de derrubar o regime. 

O ex-diretor da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) Mohamed El Baradei, vencedor do Prêmio Nobel da Paz de 2005 e ativista da oposição egípcia, chegou nesta quinta-feira (27/01) ao Cairo para se unir aos protestos políticos. Em sua chegada ao aeroporto internacional do Cairo, El Baradei, que vinha acompanhando as manifestações, disse aos jornalistas que a mudança no Egito "é inevitável".

"Acho que este é um momento fundamental para o futuro do Egito", afirmou El Baradei em declarações aos jornalistas no aeroporto internacional do Cairo. "Quero garantir que nos dirijamos a um processo de mudança pacífico".

El Baradei lidera o grupo opositor Assembleia Nacional pela Mudança e foi criticado por sua ausência no Egito. Ele volta com a intenção de dirigir a transição no país, caso o atual presidente abandone o poder.
________________________________

CHARGE

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Quem possui o cliente mais idiota?



Houve certa esperança quando a GVT ofereceu internet banda larga a preços muito mais baixos que os oferecidos pelas concorrentes. Em mercado cartelizado por empresas que tratam clientes como o cocô do cavalo do bandido, a notícia parecia alvissareira. Mas é tudo propaganda enganosa.
O serviço de 5 mega não sai R$ 49,90, como afirmam os anúncios e a própria página da GVT. No rodapé, em letras minúsculas e desbotadas, lê-se que tal valor não existe. É apenas uma “estimativa” de quanto valeria o serviço dentro dos pacotes que incluem também o serviço de telefonia. O mais baratinho é R$ 104,45. Diferença de 110%.
Partindo da página inicial da empresa, o incauto precisa procurar bastante, apertando cinco vezes sucessivas o botão do mouse, até descobrir que, sem telefone fixo, aquela saborosa banda larga a preços módicos se transforma numa cacetada de R$ 150,00 pela instalação, mais R$ 129,90 de mensalidade, desde que o infeliz permaneça 12 meses pagando. O que era R$ 49,90 passou para R$ 279,90. Diferença de 560%.
A “ouvidoria” da GVT alega que não se trata de venda casada, pois a empresa oferece alternativa para quem só quer um dos serviços. Essa explicação é tão ridícula que chega a equivaler a uma confissão da irregularidade: a própria legislação estabelece que cobrar preços abusivos é uma forma ilegal de constranger o cidadão a comprar o que não quer.
A Anatel sabe de tudo isso. Pesquisando rapidamente na internet, descobrimos que a prática tem pelo menos dois anos. E ninguém faz nada.
O consumidor brasileiro simplesmente não tem qualquer direito.

Nas festas de Berlusconi havia menor brasileira

Os documentos que compõem o processo que investiga o primeiro-ministro da Itália por suposto crime sexual revelam que, além da marroquina Karima el-Mahroug, mais conhecida como Ruby , havia outra menor presente nas festas promovidas por Silvio Berlusconi. Segundo o jornal "El País", a menor foi identificada como a brasileira Iris Berardi, agora com 19 anos, que seria prostituta.
De acordo com a bailarina de dança do ventre Maria Makdoum, que teria estado nas festas, chamadas de "bunga bunga", o homem identificado como "presidente" (que seria Alessandro Nardone, presidente do partido de Beslusconi, Povo da Liberdade), depois de acariciar gêmeas que dançavam para ele, voltou suas atenções para outra convidada.
"Então uma brasileira dançava samba de forma 'hard'. O presidente a tocava...", descreveu.
Segundo a promotoria, a brasileira esteve no dia 21 de Novembro de 2009 na mansão de Villa Certosa (na Sardenha), quando Berlusconi estaria na Arábia Saudita. Em 13 de dezembro do mesmo ano, ela passou a noite em Arcore (a 20 quilômetros de Milão).
Naquele dia, o premier foi agredido no rosto por Massimo Tartaglia, que lançou contra Berlusconi uma estátua do Domo de Milão.
De acordo com as investigações, ao menos seis brasileiras teriam participado do eventos promovidos por Berlusconi. Eles teria participado de um encontro que teve, ainda, a presença de Ruby, em abril de 2010.
Segundo Nadia Macri, identificada como " prostituta de luxo", as mulheres jantaram e, em seguida, desceram a outro andar onde havia uma discoteca.
Lá, começaram a dançar, beber e tirar suas roupas. Macri conta que Ruby, à época com 17 anos, estava bêbada e ficou nua. As mulheres seguiram para uma piscina coberta, "onde se uniu a nós o primeiro-ministro, que estava nu".

Nicole Minetti  / Reuters- Ficamos todos juntos, rindo, brincando e nos tocando", detalhou a prostituta. "Por fim, fomos a um quarto com uma cama de massagens. Berlusconi dizia 'venha a próxima, venha a próxima'.
E a cada cinco minutos abríamos a porta e consumávamos o ato sexual. Uma por vez - contou a um programa de TV. ( Leia mais )
Todas as mulheres levadas para as festas eram, segundo a denúncia dos promotores, selecionadas por Nicole Minetti, ex-higienista dental do premier que se tornou conselheira da região de Lombardia, dominada por seus aliados políticos.
_________________________

BERLUSCONI... POT-POURRI


WikiLeaks: Rudolf Elmer continua preso.O Banco Julius Bär continua lavando dinheiro

Um juiz suíço decidiu manter em prisão preventiva o ex-banqueiro suíço Rudolf Elmer, que nesta semana entregou ao WikiLeaks dois CDs com dados bancários de importantes clientes que supostamente enganaram o fisco de seus países, segundo informaram neste domingo fontes judiciais.
A decisão do juiz de manter Elmer preso preventivamente tomada no sábado baseou-se no risco de destruir provas e na forte suspeita de culpabilidade. O ex-banqueiro recorrerá da decisão da Justiça, garantiu sua advogada à agência suíça ATS.
Elmer está preso desde quarta-feira à noite, poucas horas após ser julgado por um tribunal do distrito de Zurique por ter violado o sigilo bancário suíço ao entregar informações ao Wikileaks.
Como informou a Justiça de Zurique e a Polícia, a detenção ocorreu pelas “suspeitas de infração à lei bancária’.
A razão direta da nova detenção do ex-banqueiro são os CDs entregues na última segunda-feira em Londres ao fundador do WikiLeaks, Julian Assage.
Para a Promotoria de Zurique, Elmer pode ser julgado na Suíça por violar a lei bancária, apesar dele ter entregue o material no Reino Unido.
____________________

Morreu Samuel Ruiz, o bispo dos pobres

Samuel Ruiz, o bispo dos pobres

Morreu um dos principais atores nas negociações entre os zapatistas e o governo do México.
Como bispo da diocese de Chiapas, Samuel Ruiz ganhou fama mundial em 1991 por ocasião do levante do Exército Zapatista de Libertação Nacional.
Sua intervenção impediu um massacre que poderia levar a um genocídio. Ruiz foi participante e protagonista da Teologia da Libertação e da opção preferencial pelos pobres que impôs em sua diocese desde 1975, em uma época dominada por golpes de Estado e por ditaduras militares.
> LEIA MAIS
_________________

Lula fecha 2010 com desemprego nunca dantes

Notícia divulgada pelo IBGE: 

Desocupação fica em 5,3% em dezembro e fecha 2010 numa média de 6,7% 

A taxa de desocupação foi estimada em 5,3% em dezembro de 2010, a menor da série da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), iniciada em março de 2002, ficando 0,4 ponto percentual abaixo da registrada em novembro (5,7%). No confronto com dezembro de 2009 (6,8%), a taxa recuou 1,5 ponto percentual. Com esse resultado, na média dos 12 meses de 2010, a taxa de desocupação ficou em 6,7%, também a menor da série histórica, 1,4 ponto percentual abaixo da média de 2009 (8,1%) e 5,7 pontos percentuais abaixo da média de 2003 (12,4%).
O contingente de desocupados em dezembro de 2010 (1,3 milhão de pessoas) teve quedas tanto em relação a novembro (-8,0%) quanto a dezembro de 2009 (-21,4%). No ano de 2010, os desocupados somaram, em média, 1,6 milhão de pessoas, 15,0% a menos que em 2009 e 39,0% a menos que em 2003.
A população ocupada em dezembro de 2010 (22,5 milhões de pessoas) não variou na comparação mensal e cresceu 2,9% no confronto com dezembro de 2009. Na média de 2010, os ocupados somaram 22,0 milhões de pessoas, um contingente 3,5% maior que o de 2009 e 18,9% superior a 2003.
O total de trabalhadores com carteira assinada no setor privado em dezembro de 2010 (10,5 milhões) ficou estável em relação a novembro e cresceu 8,1% frente a dezembro de 2009. Esses resultados levaram, na média de 2010, a um recorde na proporção de trabalhadores com carteira (10,2 milhões de pessoas) em relação ao total de ocupados: 46,3%, frente a 44,7% em 2009 e 39,7% em 2003.
O rendimento médio real habitual dos trabalhadores em dezembro de 2010 (R$ 1.515,10) apresentou recuo de 0,7% na comparação mensal e aumentou 5,9% frente a dezembro de 2009. O ano de 2010 apresentou a maior média do rendimento médio mensal habitual desde 2003, R$ 1.490,61, o que representou um ganho de 3,8% em relação a 2009 e de 19,0% em relação a 2003.
A massa de rendimento médio real habitual dos ocupados (R$ 34,5 bilhões), referente a dezembro de 2010, ficou 0,5% menor do que a de novembro, mas cresceu 9,4% frente a dezembro de 2009. Já a massa de rendimento real efetivo dos ocupados (R$ 35,9 bilhões), referente a novembro de 2010, cresceu tanto frente a outubro (3,7%) quanto a novembro de 2009 (7,1%). No ano de 2010, a média da massa de rendimento real mensal habitual (R$ 33,2 bilhões) aumentou 7,5% em relação a 2009 e 41,1% na comparação com 2003.
Para realizar a PME, mensalmente, cerca de 400 servidores do IBGE visitam aproximadamente 44 mil domicílios em seis regiões metropolitanas: Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.
Os resultados de dezembro de 2010 (apresentados em separado na parte final deste texto) confirmam que as transformações que vinham ocorrendo no mercado de trabalho nos últimos anos evoluíram positivamente em todas as regiões metropolitanas investigadas e de forma mais intensa no ano passado. 

Em 2010, população desocupada caiu 15,0% 

Em 2010, foi registrado um contingente médio de 1,6 milhão de pessoas desocupadas, 15,0% inferior à média de 2009 (1,9 milhão de pessoas), retomando a tendência de queda, após o crescimento de 3,3% entre 2008 e 2009. Em relação a 2003 (2,6 milhões de desocupados), houve redução de 39,0% no número de pessoas nessa situação (menos aproximadamente 1 milhão de pessoas).
A taxa de desocupação de 2010 (média de janeiro a dezembro) foi estimada em 6,7%, 1,4 ponto percentual abaixo da observada em 2009 (8,1%). Na comparação com 2003, quando a taxa foi estimada em 12,4%, a redução foi de 5,7 pontos percentuais.
(…)
_____________________

CHARGE

Refrigerante de maconha será vendido nos EUA no próximo mês

“Um refrigerante de maconha, o "Canna Cola", estará nas lojas do Estado americano de Colorado em fevereiro.
Cada garrafa custará entre US$ 10 e US$ 15 e terá entre 35 e 65 miligramas de THC (tetrahidrocanabinol), o principal ingrediente psicoativo do cannabis, o gênero botânico utilizado para produzir haxixe e maconha.
As informações foram publicadas na revista americana "Time".
São 15 os Estados americanos onde o uso da maconha para fins medicinais é legal.
No entanto, as condições para sua legalidade mudam de um lugar para o outro, e maconha, independentemente do propósito, continua sendo ilegal pelas leis federais.
Há um projeto de lei no Congresso assinado pela senadora Dianne Feinstein, conhecido como "Brownie Law", aprovado pelo Senado no ano passado. A proposta é aumentar as penas para os que fazem produtos que misturem maconha com "algo doce".
Matéria Completa, ::Aqui::
_______________________________

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Sonzinha arruma cargo do Alckmin:"superintendente de artesanato"



O Secretário do Emprego e Relações do Trabalho de Geraldo Alckmin, Davi Zaia (presidente do PPS paulista), começou a combater o desemprego de... Soninha Francine!

Depois de assessorar a campanha do Zé Baixaria na internet, a ex-vereadora é aquinhoada com uma boquinha na secretaria, no exótico cargo de "Superintendente do Trabalho Artesal nas Comunidades do Estado de São Paulo".

__________________________________

De Sanctis vai continuar a julgar Crime

De Sanctis ainda se encontrará com quem?

O corajoso juiz Fausto De Sanctis tomará posse como juiz do Tribunal Regional Federal de São Paulo na segunda-feira que vem.

A novidade é que ele fará parte da Quinta Turma que julgará ações no Cível e … tchan! … tchan! … tchan! … e no Crime.

Criminosos do colarinho branco, tremei ! 

Paulo Henrique Amorim
__________________________________

Julien Assange aos brasileiros: por que confiar no WikiLeaks

“Não somos uma organização exclusivamente da esquerda. Somos uma organização exclusivamente pela verdade e pela justiça”.
Essa é apenas uma das muitas afirmações feitas pelo fundador e publisher do WikILeaks, Julian Assange, em entrevista aos internautas brasileiros.
A entrevista será publicada por diversos blogs.
Julian Assange, que enfrenta um processo na Suécia por crimes sexuais e atualmente vive sob monitoramento em uma mansão em Norfolk, na Inglaterra, concedeu a entrevista para internautas que enviaram perguntas aos blogs.
12 perguntas foram selecionadas. O resultado é uma entrevista saborosa na qual ele explica por que trabalha com a grande mídia – sem deixar de criticá-la -, diz que gostaria de vir ao Brasil e sentencia: distribuir informação é distribuir poder.
Em tempo: se virasse filme de Hollywood, o editor do WikiLeaks diz que gostaria de ser interpretado por Will Smith.

A seguir, a entrevista.

Vários internautas - O WikiLeaks tem trabalhado com veículos da grande mídia – aqui no Brasil, Folha e Globo, vistos por muita gente como tendo uma linha política de direita. Mas além da concentração da comunicação, muitas vezes a grande mídia tem interesses próprios. Não é um contra-senso trabalhar com eles se o objetivo é democratizar a informação? Por que não trabalhar com blogs e mídias alternativas?

Por conta de restrições de recursos ainda não temos condições de avaliar o trabalho de milhares de indivíduos de uma vez. Em vez disso, trabalhamos com grupos de jornalistas ou de pesquisadores de direitos humanos que têm uma audiência significativa. Muitas vezes isso inclui veículos de mídia estabelecidos; mas também trabalhamos com alguns jornalistas individuais, veículos alternativos e organizações de ativistas, conforme a situação demanda e os recursos permitem.
Uma das funções primordiais da imprensa é obrigar os governos a prestar contas sobre o que fazem. No caso do Brasil, que tem um governo de esquerda, nós sentimos que era preciso um jornal de centro-direita para um melhor escrutínio dos governantes. Em outros países, usamos a equação inversa. O ideal seria podermos trabalhar com um veículo governista e um de oposição.

Marcelo Salles – Na sua opinião, o que é mais perigoso para a democracia: a manipulação de informações por governos ou a manipulação de informações por oligopólios de mídia?

A manipulação das informações pela mídia é mais perigosa, porque quando um governo as manipula em detrimento do público e a mídia é forte, essa manipulação não se segura por muito tempo. Quando a própria mídia se afasta do seu papel crítico, não somente os governos deixam de prestar contas como os interesses ou afiliações perniciosas da mídia e de seus donos permitem abusos por parte dos governos. O exemplo mais claro disso foi a Guerra do Iraque em 2003, alavancada pela grande mídia dos Estados Unidos.

Eduardo dos Anjos – Tenho acompanhado os vazamentos publicados pela sua ONG e até agora não encontrei nada que fosse relevante, me parece que é muito barulho por nada. Por que tanta gente ao mesmo tempo resolveu confiar em você? E por que devemos confiar em você?

O WikiLeaks tem uma história de quatro anos publicando documentos. Nesse período, até onde sabemos, nunca atestamos ser verdadeiro um documento falso. Além disso, nenhuma organização jamais nos acusou disso. Temos um histórico ilibado na distinção entre documentos verdadeiros e falsos, mas nós somos, é claro, apenas humanos e podemos um dia cometer um erro. No entanto até o momento temos o melhor histórico do mercado e queremos trabalhar duro para manter essa boa reputação.
Diferente de outras organizações de mídia que não têm padrões claros sobre o que vão aceitar e o que vão rejeitar, o WikiLeaks tem uma definição clara que permite às nossas fontes saber com segurança se vamos ou não publicar o seu material.
Aceitamos vazamentos de relevância diplomática, ética ou histórica, que sejam documentos oficiais classificados ou documentos suprimidos por alguma ordem judicial.

Vários internautas – Que tipo de mudança concreta pode acontecer como consequência do fenômeno Wikileaks nas práticas governamentais e empresariais? Pode haver uma mudança na relação de poder entre essas esferas e o público? 

James Madison, que elaborou a Constituição americana, dizia que o conhecimento sempre irá governar sobre a ignorância. Então as pessoas que pretendem ser mestras de si mesmas têm de ter o poder que o conhecimento traz. Essa filosofia de Madison, que combina a esfera do conhecimento com a esfera da distribuição do poder, mostra as mudanças que acontecem quando o conhecimento é democratizado.
Os Estados e as megacorporações mantêm seu poder sobre o pensamento individual ao negar informação aos indivíduos. É esse vácuo de conhecimento que delineia quem são os mais poderosos dentro de um governo e quem são os mais poderosos dentro de uma corporação.
Assim, o livre fluxo de conhecimento de grupos poderosos para grupos ou indivíduos menos poderosos é também um fluxo de poder, e portanto uma força equalizadora e democratizante na sociedade.

Marcelo Träsel - Após o Cablegate, o Wikileaks ganhou muito poder. Declarações suas sobre futuros vazamentos já influenciaram a bolsa de valores e provavelmente influenciam a política dos países citados nesses alertas. Ao se tornar ele mesmo um poder, o Wikileaks não deveria criar mecanismos de auto-vigilância e auto-responsabilização frente à opinião pública mundial?

O WikiLeaks é uma das organizações globais mais responsáveis que existem.
Prestamos muito mais contas ao público do que governos nacionais, porque todo fruto do nosso trabalho é público. Somos uma organização essencialmente pública; não fazemos nada que não contribua para levar informação às pessoas.
O WikiLeaks é financiado pelo público, semana a semana, e assim eles “votam” com as suas carteiras.
Além disso, as fontes entregam documentos porque acreditam que nós vamos protegê-las e também vamos conseguir o maior impacto possível. Se em algum momento acharem que isso não é verdade, ou que estamos agindo de maneira antiética, as colaborações vão cessar.
O WikiLeaks é apoiado e defendido por milhares de pessoas generosas que oferecem voluntariamente o seu tempo, suas habilidades e seus recursos em nossa defesa. Dessa maneira elas também “votam” por nós todos os dias.

Daniel Ikenaga – Como você define o que deve ser um dado sigiloso?

Nós sempre ouvimos essa pergunta. Mas é melhor reformular da seguinte maneira: “quem deve ser obrigado por um Estado a esconder certo tipo de informação do resto da população?”
A resposta é clara: nem todo mundo no mundo e nem todas as pessoas em uma determinada posição. Assim, o seu médico deve ser responsável por manter a confidencialidade sobre seus dados na maioria das circunstâncias – mas não em todas.

Vários internautasEm declarações ao Estado de São Paulo, você disse que pretendia usar o Brasil como uma das bases de atuação do WikiLeaks. Quais os planos futuros?  Se o governo brasileiro te oferecesse asilo político, você aceitaria?

Eu ficaria, é claro, lisonjeado se o Brasil oferecesse ao meu pessoal e a mim asilo político. Nós temos grande apoio do público brasileiro. Com base nisso e na característica independente do Brasil em relação a outros países, decidimos expandir nossa presença no país. Infelizmente eu, no momento, estou sob prisão domiciliar no inverno frio de Norfolk, na Inglaterra, e não posso me mudar para o belo e quente Brasil.

Vários internautasVocê teme pela sua vida? Há algum mecanismo de proteção especial para você? Caso venha a ser assassinado, o que vai acontecer com o WikiLeaks?

Nós estamos determinados a continuar a despeito das muitas ameaças que sofremos. Acreditamos profundamente na nossa missão e não nos intimidamos nem vamos nos intimidar pelas forças que estão contra nós.
Minha maior proteção é a ineficácia das ações contra mim. Por exemplo, quando eu estava recentemente na prisão por cerca de dez dias, as publicações de documentos continuaram.
Além disso, nós também distribuímos cópias do material que ainda não foi publicado por todo o mundo, então não é possível impedir as futuras publicações do WikiLeaks atacando o nosso pessoal.

Helena Vieira - Na sua opinião, qual a principal revelação do Cablegate? A sua visão de mundo, suas opiniões sobre nossa atual realidade mudou com as informações a que você teve acesso?

O Cablegate cobre quase todos os maiores acontecimentos, públicos e privados, de todos os países do mundo – então há muitas revelações importantíssimas, dependendo de onde você vive. A maioria dessas revelações ainda está por vir.
Mas, se eu tiver que escolher um só telegrama, entre os poucos que eu li até agora – tendo em mente que são 250 mil – seria aquele que pede aos diplomatas americanos obter senhas, DNAs, números de cartões de crédito e números dos vôos de funcionários de diversas organizações – entre elas a ONU.
Esse telegrama mostra uma ordem da CIA e da Agência de Segurança Nacional aos diplomatas americanos, revelando uma zona sombria no vasto aparato secreto de obtenção de inteligência pelos EUA.

Tarcísio Mender e Maiko Rafael Spiess - Apesar de o WikiLeaks ter abalado as relações internacionais, o que acha da Time ter eleito Mark Zuckerberg o homem do ano? Não seria um paradoxo, você ser o “criminoso do ano”, enquanto Mark Zuckerberg é aplaudido e laureado?

A revista Time pode, claro, dar esse título a quem ela quiser. Mas para mim foi mais importante o fato de que o público votou em mim numa proporção vinte vezes maior do que no candidato escolhido pelo editor da Time. Eu ganhei o voto das pessoas, e não o voto das empresas de mídia multinacionais. Isso me parece correto.
Também gostei do que disse (o programa humorístico da TV americana) Saturday Night Live sobre a situação: “Eu te dou informações privadas sobre corporações de graça e sou um vilão. Mark Zuckerberg dá as suas informações privadas para corporações por dinheiro – e ele é o ‘Homem do Ano’.”
Nos bastidores, claro, as coisas foram mais interessantes, com a facção pró- Assange dentro da revista Time sendo apaziguada por uma capa bastante impressionante na edição de 13 de dezembro, o que abriu o caminho para a escolha conservadora de Zuckerberg algumas semanas depois.

Vinícius Juberte – Você se considera um homem de esquerda? 

Eu vejo que há pessoas boas nos dois lados da política e definitivamente há pessoas más nos dois lados. Eu costumo procurar as pessoas boas e trabalhar por uma causa comum.
Agora, independente da tendência política, vejo que os políticos que deveriam controlar as agências de segurança e serviços secretos acabam, depois de eleitos, sendo gradualmente capturados e se tornando obedientes a eles.
Enquanto houver desequilíbrio de poder entre as pessoas e os governantes, nós estaremos do lado das pessoas.
Isso é geralmente associado com a retórica da esquerda, o que dá margem à visão de que somos uma organização exclusivamente de esquerda. Não é correto. Somos uma organização exclusivamente pela verdade e justiça – e isso se encontra em muitos lugares e tendências.

Ariely Barata – Hollywood divulgou que fará um filme sobre sua trajetória. Qual sua opinião sobre isso?

Hollywood pode produzir muitos filmes sobre o WikiLeaks, já que quase uma dúzia de livros está para ser publicada. Eu não estou envolvido em nenhuma produção de filme no momento.
Mas se nós vendermos os direitos de produção, eu vou exigir que meu papel seja feito pelo Will Smith. O nosso porta-voz, Kristinn Hrafnsson, seria interpretado por Samuel L Jackson, e a minha bela assistente por Halle Berry. E o filme poderia se chamar “WikiLeaks Filme Noire”.
__________________________

Barack Ibroma

Com agências internacionais

Em seu discurso sobre o Estado da União perante o Congresso, Obama se referiu ao rumo que deve seguir a nação, cujos sinais de recuperação económica são mais lentos que os prognosticados.
As regras mudaram. Em apenas uma geração, as revoluções em tecnologia transformaram a maneira em que vivemos, trabalhamos e fazemos negócios, apontou.
Em sua mensagem, o presidente estadunidense assumiu a lógica neoliberal ao propor controlar o déficit do governo com a redução dos gastos públicos durante os próximos cinco anos, mediante o congelamento de alguns programas nacionais avaliados em 400 bilhões de dólares.
Obama admitiu que diante de uma maior presença dos republicanos no Congresso, as novas leis para serem aprovadas deverão contar com o apoio desse partido e dos democratas.

Obama chamou a oposição republicana a compartilhar a responsabilidade de governar. "Vamos avançar juntos, ou não avançaremos”, disse. “Somos parte de uma mesma nação”, agregou ao defender a união entre democratas e republicanos.
Ponto sensível, o tema migratório foi abordado por Obama. Ele pediu à oposição republicana que leve adiante a reforma migratória, tarefa que, admitiu, será difícil e levará tempo.
Estou pronto para trabalhar com republicanos e democratas para proteger nossas fronteiras, fazer cumprir nossas leis e tratar com os milhões de trabalhadores sem documentos que agora vivem na clandestinidade, afirmou.
Política externa
Convencido de que a junção de esforços entre democratas e republicanos é um passo importante para “conquistar o futuro de reconstruir a América”, Obama referiu-se, como não podia deixar de ser, aos problemas internacionais, reafirmando as posições de seu governo, uma reiteração do caráter invariavelmente imperialista das políticas de Estado dos EUA. 

Homenageou as tropas de ocupação no Iraque; reafirmou a presença militar no Afeganistão sob o pretexto de combater a Al Qaeda nesse país e no Paquistão; enfatizou o caráter severo das sanções contra o Irã e sinalizou mais pressão sobre a Coreia do Norte para fazê-la “abandonar as armas nucleares”.
Obama capitalizou em seu discurso o fato de ter revitalizado a Otan em parceria com os aliados europoeus, numa reafirmação das alianças com caráter impertialista e da prioridade que atruibui ao militarismo e à ação desse instrumento de agressão aos povos que é a Otan. Obama falou ainda da redefinição das relações dos EUA com a Rússia e a criação de novas parcerias com nações como a Índia.
O presidente dos EUA anunciou que viajará ao Brasil, Chile e El Salvador, o que representará seu primeiro giro pelas Américas do Sul e Central.

________________________ 

Vem aí livro da aluna da mulher de Serra que revelou aborto

Ex-aluna que revelou aborto de Mónica Serra escreve um livro sobre a polémica. 
Jornal do Brasil, Paulo Marcio Vaz

“A dançarina Sheila Canevacci Ribeiro, que ficou nacionalmente famosa durante a última campanha eleitoral por denunciar um suposto aborto cometido por Monica Serra, esposa do então candidato tucano à Presidência, José Serra, está escrevendo um livro sobre o caso. A notícia foi dada pela própria Sheila em sua página no Facebook, na qual ela pede ajuda aos internautas de sua lista de amigos para que sugiram um título para a obra. Segundo Sheila, o livro terá que ser “barato e acessível”.
“Estou escrevendo um livro sobre o duplo discurso e o oportunismo do aborto nas eleiçoes. Quero que ele seja barato e acessível. Alguém tem sugestão de TÍTULO? Que tal A DANÇA DO DUPLO DISCURSO”, sugere a própria dançarina.
Até o início da tarde desta terça-feira, 56 internautas já haviam postado comentários sugerindo títulos como “A dança da mentira”, “Aborto e eleições – Locais deslocados”, “Aborto nas eleições – A face oculta” e “Dança dupla”.
Em algumas das respostas a seus amigos do Facebook, Sheila dá dicas a respeito do conteúdo de seu futuro livro:
“(…) é um documento de um marco histórico. fiquei impressionada como td mundo falou em coragem e medo e acho q aqui precisa de muito trabalho de valorizaçao de açoes comuns, civis… é um livro q quer ser positivo e não resmungão”, antecipa.
Em outra resposta, Sheila acrescenta:
“(…) eu quero apenas documentar o evento e tem artigo de outras pessoas e o que mais valeu: OS COMENTARIOS DOS BRASILEIROS”. 
______________
Bendito segundo turno.
O Padim Pade Cerra se revelou.
Fez a “calhordice “(segundo Ciro Gomes) de explorar o aborto: “este Brasil que está nascendo”.
Simulou a tijolada na cabeça – com a ajuda do Ali Kamel e do  “períto” Molina.
Jogou a carta da homofobia num evento religioso.
Explicitou sua adesão aos interesses americanos – e da Chevron – clique aqui para ler o que o WikiLeaks contou dessa sinistra relação Cerra-Chevron.
E disse que o Paulo Preto era “Paulo Afro-Descendente”.
Agora vem aí  o livro da aluna da D. Monica.
D. Monica foi para a campanha acusar o Bolsa Família de estimular a vagabundagem. (Enquanto o marido prometia pagar o 13º salário do Bolsa Família.)
D. Monica saiu a dizer que a Dilma pregava o aborto.
Mal sabia ela que uma aluna de coragem ia escrever um livro sobre o aborto que ela (Monica) contou ter feito no Chile.
E sem falar no livro do Amaury, que já tem editora.
(O aperitivo, o prefácio, este ansioso blog já publicou.
Bendito segundo turno. 

Paulo Henrique Amorim
___________________________________

Portugueses mandam na BrOi

 No Blog Conversa Afiada de Paulo Henrique Amorim

Saiu na Teletime: 


Portugal Telecom terá poder de veto sobre controladores da Oi 

Ao participar com 35% das empresas AG Telecom e LF Tel, decisões dessas duas empresas sobre votações da TmarPart em matérias relevantes precisará do aval dos portugueses. Juntas, AG Telecom, LF Tel e a Portugal Telecom terão 50,8% da TmarPart.

A BrOi, como se sabe, é a P-36 do Governo Lula.
É resultado, primeiro, de uma concepção marxista-tropicalista que imaginou fabricar uma burguesia nacional para enfrentar o polvo multinacional.
Assim, entregaram a Brasil Telecom a dois empresários (?), Sérgio Andrade e Carlos Jereissati, que não depositaram um tustão para ficar com a maior empresa de telefonia do Brasil.
Dois jenios.
O maior deles é o passador de bola apanhado no ato de passar bola.
Para sair da Brasil Telecom e da Telemar (o FHC deixava isso acontecer), Daniel Dantas botou no bolso um cala-a-boca de US$ 2 bilhões.
De onde saiu o dinheiro ?
Mistério profundo.
Talvez de um “reordenamento acionário” da Telemar, expressão marxista-tropicalista que significa “botar dinheiro na mão do burguês brasileiro que vai enfrentar os gringos”.
A BrOi ia ser uma “global player” para enfrentar as gigantes mundiais da telefonia.
Não passou da Tapobrana.
Fugiu do Velho do Restelo.
E os portugueses, que não são bobos, vão botar o dinheiro que receberam pela Vivo para tomar conta da BrOi.
Como anunciou este ansioso blog, a Broi se tornou tão brasileira quanto a Carmen Miranda.
E neste Carnaval, se verá a diretoria do BNDES vestir uma camisa listrada e sair por aí …
Como se sabe, um dos refrões mais notáveis da Carmen diz assim : “eu dei, eu dei”.
O coro pergunta “mas, o que foi que voce deu, meu bem ?”
A Carmen respondia: “Não digo e advinhes se és capaz” !
_____________________________

WikiLeaks: os EUA e a mídia venezuelana

Demorou, mas começaram a aparecer os primeiros vazamentos do Wikileaks envolvendo jornalistas. O caso é na Venezuela. Trata-se de jornalistas financiados diretamente pela "dimplomaCIA" americana:

Cable de Wikileaks reveló que dueños de medios privados venezolanos han solicitado dinero a EE UU
Caracas, 25 Ene. AVN .- Directores y dueños de comunicación privados del país se han reunido con autoridades norteamericanas para conseguir financiamiento que les permita “mantener vivos” sus periódicos y televisoras.
Así lo denunció la investigadora Eva Golinger quien, utilizando como prueba un documento desclasificado por Wikileaks, aseguró que el dueño del diario El Nacional, Miguel Henrique Otero y los dueños de Globovisión, Nelson Mezerhane y Guillermo Zuloaga, se reunieron en 2010 con el representante diplomático de EE UU, Patrick Duddy.
Leia mais »
__________________________

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

SANTARÉM: OBRA DO TEATRO VITÓRIA DEVE SER INAUGURADA EM JUNHO

O desabamento de parte de uma parede do antigo Teatro Vitória, ocorrido na tarde da última quarta-feira (19), em função das fortes chuvas e da estrutura do prédio que existe há mais de 100 anos, motivou a vinda no final de semana a Santarém, do Procurador-Geral de Justiça do Ministério Público do Pará, Geraldo de Mendonça Rocha.
Juntamente com a prefeita Maria do Carmo, promotores públicos, técnicos e engenheiros, o Procurador de Justiça, Geraldo de Mendonça Rocha fez uma inspeção à obra de restauração do prédio que deve ser inaugurado em Junho deste ano por ocasião do aniversário da cidade. “Estamos investindo neste espaço recursos do MP de aproximadamente R$ 1,5 milhão. Depois de pronta, esta obra devolverá à comunidade santarena o uso do histórico Teatro Vitória que, embora tenha sido fisicamente descaracterizado ao longo do tempo, ainda guarda a memória de grandes espectáculos realizados desde sua inauguração, em 28 de junho de 1896. Nesta visita, os engenheiros me explicaram sobre o que casou o desabamento da parede e quais a providências tomadas. Está tudo sob controle e não haverá alteração no projeto inicial”, explicou o Procurador de Justiça.
De acordo com o projeto de restauração, no prédio, funcionarão dois pavimentos. No primeiro, serão instaladas duas promotorias, duas salas para juízes realizarem audiências e acordo do projeto MP e a Comunidade, além de outras salas para atendimentos do programa. O INSS ocupará uma sala como colaborador e as Faculdades Integradas do Tapajós (FIT), com uma sala reservada para atividades dos estagiários. No pavimento superior, serão cinco promotorias e o auditório Teatro (este, administrado pela Prefeitura), com capacidade para 136 pessoas. 
___________________________ 

Candidato do Hizbollah é designado primeiro-ministro do Líbano

Najib Mikati, apoiado pelo bloco do poderoso Hizbollah, foi designado nesta terça-feira (25) primeiro-ministro libanês, por decreto presidencial. A nomeação é questionada pelo bloco pró-americano de seu antecessor Saad Hariri.

"A nomeação não é uma vitória de um bloco contra o outro", declarou Mikati à imprensa ao sair de uma audiência com o presidente da República.
"É a vitória da reconciliação em detrimento das divergências", acrescentou o novo primeiro-ministro. "Nada justifica que uma parte política se negue a participar no futuro governo", afirmou Mikati. "Estendo a mão a todas as partes", acrescentou.
Por sua parte, os partidários de Saad Hariri já indicaram que não participarão em nenhum governo dirigido por um candidato do Hizbollah. Os partidários de Hariri opinam que a designação de Mikati é uma tentativa do Hizbollah de impor sua vontade no Líbano.
O país se encontra mergulhado numa grave crise política vinculada à ata de acusação do Tribunal Especial para o Líbano (TSL) da ONU encarregado de investigar o assassinato de Rafic Hariri.
Também os sionistas israelenses, que agrediram o Líbano em 2006 e foram derrotados, manifestaram desagrado com a a indicação de Mikati. O vice-premiê de Israel, Silvan Shalom, disse no fim de semana que havia um perigo de que um "governo iraniano" se estabelecesse no Líbano. Ele disse que o Hizbollah "pode não mais ser um simples grupo terrorista operando com apoio do Irã, mas um grupo terrorista no controle do país".
A declaração do vice-premiê de Israel é uma clara provocação e contém uma ameaça de nova agressão ao Líbano, sob o pretexto de que o controle do Hizbollah sobre o governo libanês significará o com trole do Irã sobre o país árabe.
_____________________________

O PT não vai defender Lula?


No Blog da Cidadania

Vai se institucionalizando uma campanha permanente de “desconstrução” do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, agora que ele não tem mais o palanque presidencial para se contrapor a uma mídia que acredita que pode prestar ao que sobrou da oposição o serviço que, por mais que tentasse, não conseguiu prestar durante os últimos oito anos.
A institucionalização dessa campanha de destruição de imagem do ex-presidente pode ser vista no furioso noticiário, em novelas e até em programas humorísticos. Insultos, desqualificações, acusações, ridicularizações invadiram tevês, rádios, jornais, internet.
Como sempre, a oposição fica quietinha, deixando à mídia a missão de desmoralizar o ex-presidente que ambas acreditam que tentará voltar ao poder em 2014 ou em 2018, preocupação da direita que lhe insinua certa patologia psicológica por tentar desconstruir hoje um político que, como qualquer um de nós, pode nem estar vivo daqui a 4 ou a 8 anos.
Todavia, não falta consciência dos fatos à direita.  Muito pelo contrário: ela sabe muito bem o que está tentando. A destruição do mito Lula é imperativa, para que o povo deixe de acreditar que a política pode lhe mudar a vida “rapidamente” – em termos históricos, oito anos são um piscar de olhos.
A desigualdade brasileira foi construída sobre a premissa do topo da pirâmide social de que seria impossível redistribuir renda rapidamente. O processo demoraria décadas e se daria através do maior enriquecimento dos já muito ricos, de forma que as migalhas acabariam transbordando da mesa do banquete deles.
Lula, em seu governo histórico, provou o contrário. Chegamos ao fim de seu período com um processo intenso de distribuição de renda, ainda que muitos tentem, em vão, desmentir que a renda tenha se desconcentrado no Brasil nos últimos anos, apesar das evidências que caem sobre as cabeças de todos diariamente.
O aumento da participação da renda do trabalho assalariado em relação ao Produto Interno Bruto não deixa dúvidas, mas os pistoleiros da direita na imprensa não param de construir teses malucas que questionam o fato mesmo com eles saltando aos olhos, com aqueles que sempre estiveram alijados do mercado de consumo mergulhando nele de corpo e alma.
O colunista da Folha de São Paulo Clóvis Rossi, por exemplo, há anos trava uma luta inglória no pouco tempo que dedica ao trabalho, com suas coluninhas (agora semanais) na página A2 do jornal nas quais diz que os métodos de aferição da distribuição da renda não contemplam o caixa 2 dos muito ricos e que, por isso, a distribuição de renda propalada seria “lenda”
A tese de Rossi é tão estapafúrdia que não valeria a pena comentar se não fosse o fato de que ainda há formadores de opinião que dão bola a um panfleto partidário como a Folha. Por isso, o presidente do Ipea, Marcio Pochmann, no caderno “Ilustríssima” do jornal, no último domingo, teve que rebater tese tão absurda.
Para resumir, Pochmann deixou claro que os ricos não passaram a ocultar rendimentos hoje e explicou que a comparação, portanto, tem que ser feita entre os indicadores oficiais de hoje e do passado – indicadores como, por exemplo, o índice de Gini.
Esses indicadores com os quais o presidente do Ipea esgrimiu mostram que a renda se concentrou fortemente após o golpe militar de 1964 e permaneceu concentrada, quase sem se mexer, até 2005, a partir de quando começou a se desconcentrar de forma tão intensa que já é possível ver os efeitos, com a classe C  virando maioria da população.
É preciso destruir o que Lula representa, pois. Ou seja: destruir a crença popular que a sociedade veio construindo nos últimos anos de que é possível sonhar com um país menos desigual não só para os netos de nossos netos, mas para os que vivem hoje.
Lula representa esse conceito que vai de encontro à mentalidade que permitiu que o Brasil chegasse a ser, ao fim do século XX, o terceiro país mais desigual do mundo, quadro que só começou a melhorar de verdade ao fim do primeiro mandato do ex-presidente, com seus investimentos imensos na inclusão social.
Há uma aposta da direita de que Dilma Rousseff ficará encolhidinha no Palácio do Planalto até 2014, sem incomodar a elite étnico-financeiro-midiática, prontinha para ser derrotada pelo golden boy conservador de turno.  Acha isso por prever que a presidente da República não assumirá a liderança política que seu cargo impõe e, assim, será facilmente derrotada.
Contudo, a debilidade eleitoral de Dilma daqui a quatro anos depende da destruição moral de Lula e de sua obra, para que ele não tome o lugar da sucessora na sucessão dela ou para que não volte a avalizá-la eleitoralmente com o sucesso  que teve no ano passado.
É nesse ponto que espanta o imobilismo do PT e do próprio governo Dilma diante da campanha difamatória contra o ex-presidente, campanha que a mídia intensificou após ele deixar o poder, no último dia primeiro.
Claro, Dilma não tem nem um mês de governo. Mas e o PT? O partido de Lula não rebate os ataques a ele, à sua família, os deboches, a difusão de uma “herança maldita” que ele teria deixado para a sucessora, teoria tão absurda que não resiste a cinco minutos de análise séria por gente que entenda do traçado.
O governo Dilma não quer marola agora. Vem aí a escolha dos presidentes da Câmara e do Senado, por exemplo. São postos–chave para o governo. Resta saber, apenas, se é inteligente a estratégia de deixar que tentem destruir o legado de Lula e que construam um clima de medo do futuro por conta da tal “herança maldita” que tentam criar.
O debate político é atemporal e não-circunstancial. É perene. Fugir dele já se mostrou um erro – no primeiro turno da campanha eleitoral de 2010. Tudo bem que não estejamos mais em campanha eleitoral, mas como já vi a mídia destruir políticos que durante o mandato foram populares, penso que o PT deveria refletir sobre uma reação a esses ataques.